FALSO JULGAMENTO

Passo sempre em frente a um museu que fica no meio de uma praça. Um local no qual sempre vejo alguns animados mendigos, não sei de onde vem tanto ânimo, mas confesso que a alegria me inspira, talvez seja a saída deles para não morrer de frio em nossas geladas noites de inverno

O curioso em um destes dias foi ver o segurança do museu olhando para os mendigos, eu quase parei para observar com mais cuidado. Ele olhava com cara de desdém, como se não  tratasse de seres humanos, mas algum tipo repulsivo de ser. É curioso ver como constantemente nos colocamos como diferentes de tudo e todos, seja por causa da profissão, status ou credo, como se isso nos tornasse outra coisa que não seres humanos.

Ao olhar para a Bíblia vemos meio que do mesmo, de um lado os religiosos da época, tratando os gentios como seres inferiores. Eles eram os que cumpriam a lei à risca e se consideravam especiais. E do outro lado Cristo, que não perdia oportunidade de estar com os excluídos do seu tempo. A Bíblia mostra muitas vezes ele sendo julgado por estes religiosos, sendo colocado de lado por ter misericórdia de quem precisava de ajuda.

É fácil nos considerarmos especiais, principalmente quando temos dinheiro, diploma ou um bom cargo. Nós somos rápidos em nos dividir, mesmo que de forma inconsciente. A grande questão está em conseguir entender o próximo.

Vivi um bom tempo trabalhando na rua e por isso conheci de tudo, desde pessoas especiais, com inúmeros dons, mas que estavam entregues a drogas, bebida ou coisas do tipo. Até artistas de rua, que viviam de sua arte, mesmo que com limitado dinheiro, acreditando que aquela era a forma certa de viver.

Foi durante este tempo que pude entender que é injusto julgar alguém só com um olhar. As pessoas são mais do que aparências, existe muito mais do que a nossa visão capta. Com o tempo, seguimos percebendo como é perigoso o nosso falso julgamento, principalmente quando julgamos sem saber. O mundo padroniza, ele cria um modelo justamente para vender, isso quando não se apropria dos padrões existentes, e por mais que tenhamos o nosso padrão, não podemos aceitar que nós sejamos o ponto de partida de tudo, pois não somos iguais.

Somos mais do que aparentamos ser, por isso que não podemos concluir só com um olhar. É preciso caminhar, entender e continuar lado a lado, até que entendamos o próximo.

Os Fariseus da época de Jesus acreditavam que eram “melhores” que os gentios, sendo que hoje as atitudes não são muito diferentes. O homem costuma se colocar como melhor, e prefere muitas vezes olhar de cima do que estar ao lado.

É fundamental, se queremos ser cristãos relevantes, olhar para o próximo com respeito, entendendo que cada um tem suas dificuldades, a questão é que algumas são mais visíveis. É prioridade máxima, saber olhar para o próximo não com olhar de condenação, mas de graça, tal qual como Cristo olhou, para que assim possamos oferecer o evangelho ao invés de desprezo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Você pode usar estas tags e atributos HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.