CALVINISTAS VS ARMINIANISTAS

A briga entra calvinistas e arminianistas dura séculos e até hoje não cessa.

Conhecido através de João Calvino e Jacó Armínio, estas duas doutrinas tem como ponto central de divergência a predestinação. Um lado acredita que Deus escolhe salvar quem quer e o outro crê que tem uma participação no plano divino, aceitando ou não a Deus, entre outras coisas

Alguns Calvinistas falarão que tudo o que acontece é da vontade de Deus, tudo, até o mal. Outros falarão que isso não é possível, sem colocar Deus como culpado. Isso sem contar inúmeros calvinistas que se sentem privilegiados por seres predestinados. Coisa que Calvino não admitia, ele acreditava que o homem não deveria se vangloriar de uma dádiva recebida por Deus

Sproul disse em seu livro Eleitos de Deus: “Quem não acredita na predestinação deve ser um ateu convicto”. Como se a teoria calvinista fosse essencial para a vida cristã

Já Jerry Walls disse: O calvinista deve sacrificar uma clara noção da bondade de Deus a fim de manter sua visão dos decretos soberanos de Deus. Como se realmente tivéssemos uma noção real de como é a bondade de nosso Pai. Sabemos que ele é bondoso, mas a ideia que temos é muito pequena e ínfima

E por ai vai, a guerra nunca vai acabar, pois cada um vai achar as suas desculpas e explicações melhores que a dos outros. Sem contar que a grande maioria destas pessoas não busca estudar para achar a verdade e sim para apenas estarem certos e validarem os seus pontos de vista, o que é um erro.

Se você pesquisar toda a história, perceberá o quanto deu pano pra manga, arminianistas já foram caçados como hereges, calvinistas condenados como heterodoxos. Mas a grande verdade da discussão, que inclusive nunca terá fim, já que a Bíblia da base para as duas teorias, é que estas teologias no meu ponto de vista, não são nem de perto fundamentais, direi por quê!

Há tempos que penso e estudo estes dois lados, até ler um dia destes um versículo em Romanos 11:33-34:

Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!
Por que quem compreendeu a mente do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro?

Esta passagem é tirada de Isaías 40:13 e repetida em Coríntios 2:16, contendo apenas algumas variações. Demonstra a profunda consciência da condição de superioridade de Deus e como é impossível penetrar em sua mente, ou entender seus desígnios (CHAMPLIN, 2014, Pg 978)
O que isso significa?

Que nunca entenderemos os pensamentos de Deus, nunca conseguiremos saber os seus propósitos. Acreditar que através de algumas teologias forjadas com o intuito de segregar, você pode entender a mente de Deus é ser muito pretensioso. Gosto de um versículo de Êxodo 33:22-23 onde Moisés pede para ver a glória de Deus:

Quando a minha glória passar, eu o colocarei numa fenda da rocha e o cobrirei com a minha mão até que eu tenha acabado de passar.
Então tirarei a minha mão e você verá as minhas costas; mas a minha face ninguém poderá ver

Ele viu apenas as costas de Deus, pois ver a sua face, ou tentar entende-lo é impossível, quanto mais afirmar como ele age e pensa.

Uma vez em um programa de entrevistas o apresentador perguntou a um teólogo, porque ele não era arminianista, o homem respondeu, porque eu leio a Bíblia. Achei a resposta um tanto quanto não cristã, afinal, uma coisa temos certeza sobre Deus: Ele é amor (João 4:8) e deu o seu filho para morrer por nós (João 3:16) tamanho o amor que tinha. E segregar, humilhar ou achar que a sua forma de pensar é a certa e todos estão errados, não é agir com amor

Eu frequentei por muito tempo uma igreja onde o pastor chamava arminianos de burros, eu me ofendia com aquele extremismo todo. Isso gerou em mim mágoas e ressentimentos, e hoje eu sei muito bem como este tipo de atitude é nociva. Eu acredito no diálogo, na troca de experiências e em aceitar o ponto de vista diferente ao meu, isso é saudável, isso é ser cristão.

Eu sei que a Bíblia existe para estudarmos e assim extrairmos o máximo dos ensinos para as nossas vidas. Mas o propósito deste livro sagrado, nunca foi separar e sim unir, não é classificar pessoas, mas trazer o plano de salvação a cada indivíduo.

Então, se você tem algum destes posicionamentos não segregue, muito menos ofenda quem pensa diferente de você. Não é pecado ter a sua corrente teológica, o pecado é ofender, discriminar e diminuir as pessoas.

Em 1Coríntios 12:12, Paulo descreve a igreja como um corpo, sendo Cristo o cabeça, é por isso que devemos sempre estar unidos, um membro separado do corpo, certamente morrerá

Sem Cristo e sua graça e o seu amor, nós não somos nada, este é o cerne da mensagem Cristã, é neste ponto que todos se unem. E é esta a palavra que deve ser pregada, o resto; bem… O resto não importa!

BIBLIOGRAFIA

Bíblia Sagrada – Nova Tradução na Linguagem de Hoje; Ed. Soc. Bíblica do Brasil ; 2005 ; São Paulo; SP

CARSON, D.A.- Comentário Bíblico Vida Nova, 2 ed., São Paulo SP, Editora Vida Nova,2012.

CHAMPLIM, RN. O Novo Testamento interpretado Versículo a Versículo, Editora Hagnos, SÃO PAULO, 2014

BRUCE, FF, Comentário Bíblico NVI, Editora Vida nova, São Paulo, 2008

OLSON, Roger, Contra Calvinismo, Editora Reflexão, São Paulo, 2013

MCDERMOTT, Gerald R, Grandes Teólogos, Uma Síntese do Pensamento Teológica em 21 Séculos de Igreja, Editora Vida Nova, São Paulo, 2013

66 visualizações

JARDINEIROS

Ao lado do meu trabalho, tem um campo por onde eu passo na hora de ir embora. Fico admirado de quanto lixo é jogado por entre as arvores daquele local. Tive o desprazer de ver passar muitos caminhões, carros e pessoas jogando lixo enquanto passam é lastimável, o que me faz refletir sobre o futuro do nosso mundo.

O homem tem vivido sem pensar no amanhã, gastando água a toa, desmatando, consumindo todo o nosso verde como gafanhotos, em nome de uma comodidade e da evolução, ou para construir uma “coisa melhor” no lugar da natureza

Gênesis 2:15 diz que Deus nos fez jardineiros para cuidar de sua criação. Diferente do que muita gente acredita o homem sempre teve um trabalho, sempre teve a sua função, somos jardineiros.

Mas a Bíblia diz que somos pecadores, por termos desobedecido a uma ordem de Deus (Gênesis 3:6). E talvez, uma das maiores manifestação deste pecado seja o nosso caráter egoísta e destruidor.

O homem não consegue viver sem destruir, tudo por causa do tal egoísmo. Seja acabar com a sua família, por não querer ser fiel a sua esposa, destruir a sua vida com vícios ou trabalho excessivo ou poluir o meio ambiente.

Ed René Kivitz, disse algo interessante em um de seus sermões:

“Coloque o homem em um lugar bonito, florido e belo, que você vai ver em pouco tempo o lugar poluído e sujo”

Isso é o homem e tudo isso acontece por pensarmos primeiro em nosso prazer. Aprendi desde pequeno, que o mundo jaz o maligno e não precisamos cuidar das coisas do mundo, não devemos nos preocupar com este negócio de natureza.

Será mesmo?

Cristo nos chamou para um nova vida. Ou seja, para vivermos uma vida diferente, boa e plena, o contrário de nossa vida antiga. Ora, então pela lógica, se eu vivia uma vida olhando apenas para meu umbigo, logo, devo aprender a olhar em volta, para as pessoas, para a criação e os problemas do próximo

Gênesis 1:27 diz que Deus nos deu o domínio sobre os animais, ter o domínio não é explorar, ou acabar com a terra, é cuidar de forma consciente, como seres racionais que somos (Acho eu)

Sempre bato na mesma tecla, a expressão do reino começa aqui e não no céu. E não há manifestação de amor maior que cuidar do meio ambiente, que a próxima geração, um dia vai desfrutar. Não podemos viver como se os recursos naturais fossem ilimitados, nem destruir a flora e fauna, como se aquele ecossistema não fosse importante. Somos jardineiros, fomos criados para cuidar do jardim e não para destruir ele, e cuidar do meio ambiente é cuidar do próximo e das gerações que estão por vir.

4 visualizações

DÍZIMO

O dízimo é um dos assuntos mais falado atualmente. Pois depois de séculos, alguns cristãos descobriram que não serão amaldiçoados por Deus e nem o gafanhoto vai comer o seu dinheiro, se não entregarem o dízimo. E agora estas pessoas bradam aos sete ventos a sua repulsa contra a igreja, a “eterna vilã” que todos estes anos têm cobrado os dez por cento dos seus fiéis.

Este costume existe antes da lei mosaica, como podemos ver em Gênesis 14:20. E foi instituído como parte do culto dos Hebreus e também tinha a finalidade de sustentar os sacerdotes e ajudar aos necessitados

Entre as ofertas que eram dizimadas estavam: Colheitas, frutas, animais, rebanho, como especificado em Levítico 27:30-32 (Champlin, 2013, pg 202)

Uma coisa é verdade, se apoiar em Malaquias 3:10 para justificar a cobrança é complicado. Já que o texto fala que o povo hebreu, que seguia a lei estavam desobedecendo ao mandamento de Deus e não estavam dando os seus dízimos. Sabemos que não mais vivemos debaixo da lei. (Gálatas 2:19) e os mandamentos do velho testamento, não mais valem para nós. Por isso é um grande erro se apoiar em um texto do velho testamento como norma de vida.

E sabemos também que o novo testamento não fala de dízimo, ele apresenta apenas uma comparação que Cristo faz lá em Lucas 11:42, onde embora os fariseus cumprissem a lei, deixavam de praticar o amor e a justiça para com as pessoas. Este texto fala da hipocrisia dos fariseus e não sobre dar ou não dízimo. Apesar de que alguns vão dizer que Jesus não desconsiderou o dízimo, outros vão falar que sim, mas sabemos que este texto é um tanto complicado para apoiar a prática, ele não é claro

A pergunta que fica é:

Não mais ajudaremos a igreja?

Primeiro, não devemos ajudar a igreja para que possamos prosperar, esta seria a motivação errada. Devemos ajudar para manter o local onde prestamos culto a Deus.

Como em qualquer casa, a igreja tem algumas responsabilidades a cumprir como: Aluguel, água, luz, salários de trabalhadores, etc. E quem deve ser o responsável por estas contas é quem usa o local, ou seja, nós membros. É o mínimo que devemos fazer, pois quem usa certamente é o responsável.

Segundo, aprendi com um professor de seminário uma lógica interessante. Se na época da lei Deus determinava que o povo hebreu desse dez por cento do seu trabalho. Logicamente, agora que somos salvos pela graça, tudo o que temos pertence a Deus. Já que ele nos salvou e não exigiu nada de nós.

 Eu acredito que os dez por cento é o mínimo que podemos fazer para vermos a obra de Deus crescer e para agradecer a Deus por sua graça

Quem ama a sua igreja colabora, quem se preocupa oferta e ajuda e não tem medo de contribuir. Se este não é o seu caso, então repense o local onde você esta frequentando.

 

BIBLIOGRAFIA

CHAMPLIM, RN. Enciclopédia bíblica de teologia e filosofia, Editora Hagnos, SÃO PAULO, 2013

 

 

 

 

59 visualizações

PERSEVERANÇA

Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus.
Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim,
Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. ( Filipenses 3:12-14)

Sempre gostei muito de automobilismo. Durante décadas assisti muitas corridas; a maioria pela televisão, mas muitas ao vivo. Nesse esporte vê-se situações inusitadas e tudo pode acontecer. Talvez uma das cenas mais marcantes foi uma corrida da Fórmula 1 no ano de 1991. O piloto britânico Nigel Mansell liderava a corrida com mais de 50 segundos de vantagem para o segundo colocado. Na Fórmula 1 isso é uma eternidade. Nesse tempo dá pra fazer duas trocas de pneus. Ao abrir a última volta Mansell começou acenar para a torcida comemorando a vitória. Já tinham se passado cerca de 300km na corrida e faltavam apenas uns 4.  Ele estava passeando pela pista, quando na metade dessa última volta, cerca de 2 km antes da linha de chegada, acabou a gasolina do seu carro. O brasileiro Nelson Piquet acabou vencendo a prova e Mansell ficou pelo caminho. Esse episódio me levou a entender que o importante nem é tanto como você larga, mas sim como você chega ao destino e isso tem tudo a ver com perseverança.

Perseverança é uma palavra que começa a ser cada vez menos lembrada no dia a dia. Vemos uma geração que é muito estimulada, atenta a tudo, muito ágil, mas a maioria não sabe lidar com problemas e acaba sucumbindo. Percebemos isso claramente nos relacionamentos. Nunca amizades e até mesmo casamentos valem tão pouco. É só os problemas que demandam esforço e abnegação aparecerem, que amigos e cônjuges são trocados pelos próximos da fila, afinal, “a fila anda”. E assim vivemos nosso dia a dia, fazendo da própria vida algo descartável.

Mas é na área da espiritualidade que a falta de perseverança faz mais estragos. Esses versículos da carta aos Filipenses enfatizam justamente isso. O apóstolo Paulo relata como ele lida com as dificuldades. No início do versículo 12, Paulo deixa claro que ele ainda não alcançou o alvo. Assim como Nigel Mansell em 91, Paulo estava muito bem encaminhado, mas ainda não tinha cruzado a linha de chegada. Ou seja, ainda havia lutas pela frente. Enquanto Mansell acenava para o público festejando a vitória antes do tempo, Paulo sabia que ainda havia lutas a serem vencidas; sabia que nada estava ganho. Assim também é com cada um de nós. Dia a dia somos assolados por todo tipo de problemas, dificuldades e desafios e só há uma forma de perseverarmos. Devemos olhar para Cristo e seguir em frente até que alcancemos o prêmio final. Conheço alguns cristãos que vivem como se já estivessem no céu. Não vêem problema algum e parece que esquecem que ainda pisam no planeta Terra. Isso é perigoso, pois perde-se a noção da realidade. Perde-se a conexão com a vida, com as pessoas e dessa forma nem podemos dize que se vive um cristianismo. Outros vêem a dimensão dos problemas e dos obstáculos e logo desistem. Isso também não é cristianismo. Não supervalorize teus problemas, mas sim fite teu olhar em Cristo.

Outro detalhe interessante, é que Paulo afirma que ele esqueceu as coisas do passado e segue firme para o alvo. Uma das coisas que mais atrapalha nossa vida são algumas coisas mal resolvidas no passado. Muitas vezes parece que o passado é como uma âncora que arrastamos pela vida. Um peso enorme que não nos deixa avançar. Paulo não podia se orgulhar do seu passado. Era um perseguidor sanguinário dos cristãos. Muitos pereceram em suas mãos, mas um encontro com o Cristo mudou sua história. Paulo colocou seu passado nas mãos de Deus e seguiu em frente. Será que nós nos libertamos do passado, ou tentamos revivê-lo? Teu passado realmente é passado ou ele ainda está vivo em tua mente, define muitas das tuas atitudes ou impede que você as tome? Uma das chaves para termos forças para seguir em frente é resolver o passado. Não é fazer de conta que ele não existiu, mas sim compreendê-lo e colocá-lo em seu devido lugar. Não devemos permitir que o passado determine nossas ações no presente e no futuro.

A última atitude de Paulo que quero comentar, pode ser entendida como a própria definição da palavra “perseverança”. Ele diz que prossegue para o alvo. Perseverar é prosseguir. Só podemos ter perseverança se tivermos um alvo estabelecido. Quando a questão é nossa espiritualidade, esse alvo é chegarmos à vida eterna. E esse alvo só é alcançado se seguirmos os passos de Cristo. Não adianta começarmos bem nossa vida com Deus e nos perdermos durante a caminhada. Não adianta liderarmos 300km de uma corrida, se nossa energia acaba nos últimos metros antes de completarmos a jornada, porque esquecemos do alvo. Para chegarmos ao final de uma corrida, devemos vencer todo tipo de adversidade. Talvez a maior delas seja nós mesmos. Assim como Paulo, é necessário que cada um de nós tenha muita determinação para perseverar na vida cristã.

Paulo passou fome, frio, foi preso, apedrejado e nada disso o fez desistir da jornada. Só conseguiu perseverar porque tinha um alvo muito bem definido. Será que isso é uma realidade na minha e na tua vida? Há milhões, talvez bilhões de pessoas que iniciam a jornada com Deus, mas muitos, talvez a maioria, acabam ficando pelo caminho. Viver o cristianismo é ter atitudes de abnegação diariamente. Abnegar da própria vida, entregando-a a Cristo, assim como abnegar da própria fraqueza, deixando que a força de Deus nos capacite a superar as dificuldades e o desânimo. Somente através de Deus é que conseguiremos perseverar.  Mas para isso aconteça, temos que tomar uma decisão. Estamos dispostos a pagar o preço de suportar e superar todos os obstáculos que vierem pela frente? Você e eu achamos mesmo que nosso alvo vale a pena para lutar arduamente? Faça de Deus o parceiro dessa corrida; tenha ele sempre a teu lado, siga seus passos e não corra o risco de liderar 300km e acabar teu gás a poucos passos do alvo. Persevere dia a dia, momento a momento e assim você cruzará a linha da chegada.

Bruno Wedel: Bacharel em Teologia no Seminário Teológico Betânia de Curitiba, pós-graduado em Teologia e Cultura pela Faculdade Wpós.

9 visualizações

DEUS E O MAL

Um tempo atrás, li um livro do Bart D. Ehrman chamado: O problema com Deus. Que trata do tema: porque sofremos, porque Deus permite que soframos.

O Teólogo que é Gnóstico e ph D em teologia, tenta achar contradição no problema: Deus o sofrimento e o mal. E durante todo o livro, faz perguntas cuja as respostas acabam culminando em: ou Deus não existe ou ele é sádico. A maioria de seus livros tem como proposta invalidar a Bíblia e transformar Cristo em uma história inventada por homens.

Pode soar estranho, mas eu gosto dos livros dele e de sua maneira de pensar, livre da religião e dos conceitos que a igreja impõe. Claro não concordo com as suas ideias, não todas, mas não desvalorizo a sua forma de pensar. Afinal, de alguma maneira ele me faz meditar, ler e pesquisar mais

O curioso é que as suas perguntas não são inéditas, alguns ateus ou simpatizantes que tenho conversado já me fizeram as mesmas indagações, que de um modo ou de outro, acabo respondendo com o pensamento de alguns autores que costumo ler e é sobre algumas destas perguntas que quero tratar.

A primeira pergunta me foi feita na hora do almoço em uma empresa que eu trabalhava, ele perguntou: Se Deus existe e é onipotente, porque ele permite o sofrimento?

Sempre que respondo tento lembrar a resposta de C. S Lewis para esta mesma indagação:

“O problema de reconciliar o sofrimento humano com a existência de um Deus que ama só permanecerá insolúvel se atribuirmos um sentido corriqueiro a palavra amor e encararmos as coisas como se o homem fosse o centro delas”

Sempre pensamos que Deus o todo poderoso e sábio, deve agir de nossa maneira e não da sua maneira e quando ele não nos ajuda segundo o nosso ponto de vista, começamos a achar que ele não está nos ouvindo, que ele nos abandonou. Isso sem contar as muitas vezes que estamos bem e nem nos lembramos dele. Muitos lembram apenas quando acontecem catástrofes ou veem pessoas passando dificuldades.

É engraçado por a culpa em Deus por muitos sofrerem ou passarem fome. Sendo que o nosso país joga fora quarenta mil toneladas de alimentos diariamente, segundo a Embrapa. E a culpa é de Deus, só que poucos se mobilizam para mudar esta situação. Isso sem contar a indústria farmacêutica, que ganha milhões à custa das doenças. O dinheiro move o mundo, a grana é o grande norte do homem e a culpa é tudo de Deus, sei

O homem é egoísta e mau, sua natureza só faz pensar em si e ainda por cima consegue achar outro culpado. Norman Geisler e Frank Turek no livro: Não Tenho Fé Suficiente Para Ser Ateu, da uma conclusão interessante para o problema do mal:

“Sempre falamos sobre Deus conter o mal, mas nos esquecemos de que, se ele o fizer, vai precisar nos conter também. Todos nós fazemos alguma coisa de mal”

Deus nos fez livres e por sermos livres, agimos como bem entendemos e é ai que esta a fonte deste mal, o nosso livre-arbítrio. Agostinho disse certa vez:

“Se o bem vem de Deus, o mal se origina da ausência do bem e só pode ser atribuído ao homem, por conduzir erroneamente as próprias vontades”

Esta frase resume bem a condição humana e como o homem usa a sua liberdade de forma errada

Acredito também que por Deus nos amar, ele nos ensina e é através do sofrimento que muitas vezes aprendemos. Quem já passou fome sabe a importância de não se desperdiçar alimentos. Quem já ficou desempregado sabe valorizar o seu trabalho. A vida é assim e o homem muitas das vezes aprende apenas desta maneira.

Mas Bart D. Ehrman faz outra pergunta no livro, um pouco mais difícil de explicar: Porque uma pessoa boa nasce com doenças ou acaba pegando uma doença que a faz sofrer muito?

Eu queria que a resposta fosse fácil, queria poder falar que Deus esta tentando ensinar algo a ela, ou que tem um propósito em tudo isso. Mas certas coisas são difíceis de explicar, quanto mais entender.

Uma criança que nasce com uma doença terminal, ou inúmeras pessoas nascendo em um país onde impera a fome e guerra.

Um pai de família que sofre com um câncer devastador é inexplicável e impossível de entender. É difícil falar que Deus tem um propósito em tudo isso, concordo com Bart D. Ehrman, mas dizer que ele não existe por conta disso, acho sem lógica

Gosto muito do livro de Jó. E fico admirado quando Deus de um redemoinho fala com ele (Jó 38) e o faz entender que ele não sabe de nada, e que Deus tem tudo sob controle. Mas o melhor do texto é quando Deus termina a sua narrativa, sem explicar porque Jó sofreu, ele não deu resposta alguma.

Considero a fé essencial em minha vida e é por essa e outras dúvidas, que desisti de procurar respostas para tudo. Eu sei que muita coisa não tem explicação e não me considero tão importante para exigir estas respostas de Deus.

Mas uma coisa eu sei, apesar de muitas vezes não parecer, Deus esta no comando. Seja em qualquer situação ou dificuldade, seja por doença ou perseguição, ele nunca nos abandona.

O sofrimento nesta terra é passageiro, a vida eterna é perto do Pai. É nesta esperança que eu me sustento é nela que devemos nos apegar

E quanto ao sofrimento: Em vez de reclamar e ficar vendo as pessoas passarem dificuldades, pondo a culpa toda em Deus, aproveite para estender a mão e ajudar alguém

BIBLIOGRAFIA

 

LEWIS, O Problema do Sofrimento, Editora Vida, São Paulo, 2001

GEISLER, Norman, TUREK, Frank, Não Tenho Fé Suficiente Para Ser Ateu, Editora Vida Acadêmica, São Paulo, 2012

EHRMAN, Bart D, O Problema Com Deus, Editora Agir, Rio de Janeiro, 2008

http://epoca.globo.com/vida/noticia/2015/03/de-olho-no-bdesperdiciob-da-lavoura-mesa.html (Revista Época, 2015)

21 visualizações

CEGUEIRA

Este, recobrando a vista, respondeu: Vejo os homens, porque como árvores os vejo, andando.  Então, novamente lhe  pôs  as  mãos  nos  olhos, e  ele, passando a ver claramente, ficou restabelecido; e tudo distinguia de moto perfeito.( Marcos 8,24-25)

 

      Nos versículos 22 ao 26 desse capítulo do evangelho de Marcos vemos mais um milagre realizado por Jesus, o Messias. Dessa vez ele curou um cego.

Acho que a cegueira tem tudo a ver com a condição humana. Talvez a grande maioria das pessoas não tem problema em sua visão, fisicamente falando, mas não consegue ver a realidade da vida. E pior; agem e reagem baseados na realidade distorcida que vêem. Um indício que o homem não consegue fazer uma leitura correta do que está ao seu redor é a própria condição na qual ele se encontra. Dia a dia, ele mergulha mais e mais em um poço de desesperança. Dia a dia, o homem está mais infeliz, ansioso, deprimido e cada vez mais longe de si mesmo. A ciência da vida e o autoconhecimento não tem conseguido dar direção à sua vida. Tal como o cego dessa narrativa bíblica, a maioria das pessoas não vêem nada e vivem no escuro, esperando a esperança.

Mas houve um dia onde a esperança se tornou realidade na vida desse cego. Sua vida cruzou com a de Jesus e foi aí que a realidade mudou. Mudou pelo simples fato de Deus ser a verdade. Ele é a verdade que deve ser vista e vivida, pois, como ele mesmo disse, “Eu sou”. Ele é e isso nos basta.

Muitas pessoas, mesmo que busquem a Deus, são reféns de religiões ou de líderes que os aprisionam. Voltam ao tempo em que se precisava de um mediador humano para chegar a Deus. Precisamos de pastores, líderes e referências em nossas vidas, mas não são eles que devem abrir nossos olhos e sim o próprio Cristo. Infelizmente é comum ver falsos pastores e profetas prometendo libertação, mas seu rebanho é conduzido como um cachorro que é levado a passear com seu dono na rua. O cachorro sai, todo feliz, achando que é livre. Mas a realidade é que ele tem que andar por onde seu dono lhe conduz. Cuidado com os faltos profetas. Enquanto que os verdadeiros te levam a ser conduzidos por Cristo, os falsos prometem abrir teus olhos e além de não abri-los, são eles que te conduzem e ditam as regras para tua vida. Você estará vivendo na penumbra, achando que vive na luz.

No texto de Marcos, lemos que um homem não enxergava e Cristo o fez ver a realidade a sua volta. Da mesma forma, só Jesus pode nos fazer ver a vida como ela realmente é. A minha e a tua identidade estão em Jesus. Só ele é que pode nos mostrar quem realmente somos.

Algo que chamou minha atenção nesse texto, é que a cura foi gradual. Não fiz um estudo para saber por que Jesus agiu dessa forma, mas acho que podemos fazer uma aplicação para nossa realidade. Veja que o cego recobrou a visão, mas ainda não via claramente. O texto relata que ele mesmo disse que via as pessoas como árvores. Ou seja, ele já via alguma coisa, mas não a realidade. Jesus, em uma segunda etapa da cura, pôs as mãos em seus olhos e ele passou a ver claramente. Agora ele via distinguia tudo de modo perfeito. É isso que ele também quer fazer para mim e para você. Ter uma visão clara da vida é um processo; é um aprendizado no qual se amadurece.

Quero te perguntar. Como você vê a vida e o mundo que está ao teu redor? Você não vê nada, vê árvores andando ou vê tudo de modo perfeito, da mesma forma que Deus vê? Não sei quanto a você, mas tenho certeza que se eu visse o mundo da forma que Deus o vê, muitas das minhas atitudes seriam diferentes. Será que deixamos que Cristo abra nossos olhos para conseguirmos ver com os olhos   de Deus?  Será que estamos dispostos a abrir mão da nossa forma de ver e de viver a vida?

Somente Cristo pode dar a mim e a você uma visão clara do Reino de Deus. Deixe que ele abra teus olhos para que você viva da forma que é a melhor para você. E não esqueça que, da mesma forma que na cura desse cego, ver a vida com os olhos de Deus é um processo. Somos limitados pela imperfeição humana, e por isso mesmo, temos que pedir dia a dia que Deus abra os nossos olhos e que nos dê a mente de Cristo. Essa é a única forma de sermos curados da cegueira na qual o homem se encontra.

Bruno Wedel: Bacharel em Teologia no Seminário Teológico Betânia de Curitiba, pós-graduado em Teologia e Cultura pela Faculdade Wpós.

 

8 visualizações

NEFILINS

Havia naqueles dias gigantes na terra (Gênesis 6:4)

Este é um daqueles textos controversos da Bíblia e a meu ver, um dos que mais tem viagens e teorias mirabolantes na hora que interpretam o versículo. Basta você comprar um livro sobre o assunto, ou dar uma fuçada na internet para conferir todas as histórias sobre estes gigantes (Nefilins). Por sorte, outros teólogos têm explicações simples e sem costuras Bíblicas, tais quais muitos gostam de fazer. Resolvi estudar este tema mais a fundo, para responder a dúvida de uma amiga, então vamos lá, espero não ofender quem pensa diferente, pois o propósito do blog não é ofender e sim esclarecer.

A fim de ser relevante, li diversos sites e inúmeros comentários Bíblicos e dicionários teológicos, mas confesso que eu já tinha um ponto de vista formado, a pesquisa serviu para aprimorar mais o meu modo de ver, mas não me convenceu a mudar de idéia. Antes, vamos dar uma revisada nas diversas histórias para depois expor a palavra, que a meu ver, esta um tanto quanto clara.

A grande teoria sobre os Nefilins (gigantes) é que eles eram fruto do relacionamento dos filhos de Deus com mulheres humanas, como diz em Gênesis 6:4. E segundo a teoria da alguns teólogos, o dilúvio aconteceu por causa desta mistura de raças, Deus quis limpar a terra. Basicamente é esta a interpretação que você encontra em diversos sites. Existe um problema nesta teoria e em muitas outras, então vejamos:

1 – Se o dilúvio aconteceu para limpar a terra desta mistura de raças, entre anjos caídos e mulheres, porque a Bíblia relata mais gigantes após o dilúvio?

Alguns falam que a mistura aconteceu em escala menor, mas aconteceu. Como Deus permitiu novamente, se ele já havia destruído a terra por este motivo? É no mínimo estranho, eu sei que o pecado continuou após o dilúvio, mas Deus já tinha um plano de redenção para a humanidade, antes da fundação do mundo (1Pedro 1:20), mas esta lenda de gigantes, não tem qualquer outro apoio ou propósito

2 – Alguns teólogos, ou curiosos, interpretam o termo “filhos de Deus” como anjos, e isso é outro problema, porque este termo é usado tanto para anjos como em: Jó 1:6, 2:1, 38:6-7, quando para povo de Deus: Dt 14:1; Is 1:2; Os 1:10.

3 – Outro grande problemas nestas teorias esta em Mateus 22:30. Onde Cristo, ao responder uma pergunta dos Saduceus sobre: quem iria ficar com a mulher que casou várias vezes, quando todos subissem ao céu?

Jesus responde que todos serão como anjos no céu, que não se casam. A justificativa destes teólogos é que Cristo estava falando apenas do céu, mas não me convence, eu ainda continuo acreditando que os anjos não tem sexo.

Mas o grande erro é de interpretação Bíblica mesmo, uma falta de atenção, pois a palavra diz:

Naqueles dias havia nefilins (Gigantes) na terra, e também posteriormente, quando os filhos de Deus possuíram as filhas dos homens e elas lhes deram filhos. Eles foram os heróis do passado, homens famosos (Gênesis 6:4).

Havia gigantes na terra, antes e depois dos filhos de Deus possuírem as filhas dos homens e esta união não resultou em gigantes, pois já existiam, mas em heróis, ou valentes como algumas traduções colocam. É como se a passagem estivesse explicando, quando os Nefilins habitavam a terra.

E está a meu ver é a melhor e mais coesa forma de interpretar o texto, lembrando que segundo a Bíblia, os gigantes não passavam de três metros (1Samuel 17:4)

E existe a possibilidade de estes homens nem terem sido gigantes, mas somente homens que metiam medo ou fortes, já que o termo Nefil, vocábulo que faz parte da palavra Nefilin, em hebraico significa: valentão ou tirano (Champlin, 2014, pg 904)

Aprendi ao longo da minha caminhada a não seguir teorias loucas, sem antes conferir e pensar bem no que esta sendo dito.

As vezes, acreditamos em histórias mirabolantes e esquecemos de pensar por nós mesmos, ler livros relevantes e pesquisar bem antes de acreditar.

E eu aprendi também que nem tudo a Bíblia da respostas, algumas coisas não são explicadas e você vai ter que conviver com isso.

BIBLIOGRAFIA

 Bíblia Sagrada – Nova Tradução na Linguagem de Hoje; Ed. Soc. Bíblica do Brasil ; 2005 ; São Paulo; SP

Bíblia Sagrada – Bíblia de Jerusalém; Editora Paulus,  São Paulo, 2013

PETERSON, Eugene, Bíblia a Mensagem, Editora Vida, São Paulo, 2013

CARSON. DA. Comentário bíblico vida nova. SÃO PAULO – SP, EDITORA VIDA NOVA, 2012

CHAMPLIM, RN. Enciclopédia bíblica de teologia e filosofia. 10° ED. SÃO PAULO – SP HAGNOS. 2011

CHAMPLIM, RN. O Novo Testamento interpretado Versículo a Versículo, Editora Hagnos, SÃO PAULO, 2014

BRUCE, FF, Comentário Bíblico NVI, Editora Vida nova, São Paulo, 2008

WALTON, John, MATTEWS, Victor, CHAVALAS, Mark Comentario Biblico Atos Antigo Testamento, Editora Atos, Minas Gerais, 2003

SITES PESQUISADOS

http://www.gotquestions.org/Portugues/gigantes-Nefilins.html

http://www.bible-facts.info/artigos/osnefilins.htm

http://www.dc.golgota.org/contradicoes/genesis/genesis21.html

http://www.respondi.com.br/2012/01/os-anjos-usaram-mulheres-para-procriar.html

92 visualizações

OS BENEFÍCIOS DA LEITURA

Muitos amigos compartilham comigo seus profundos desgostos com a leitura, conheço pessoas que durante sua vida nunca leram um livro sequer, isso me impressiona.

Quem me conhece sabe o quão amigo sou dos livros, e ler, faz parte do meu cotidiano. Tomei gosto pela leitura ainda novo. Sempre tinha em minha casa alguns livros enfeitando a estante. E foi com alguns deles, mais precisamente a coleção do Monteiro Lobato, que comecei a ler.

Mas a grande incentivadora da leitura foi a escola no qual estudei. Onde em todas as séries, uma professora passava convidando os alunos a emprestarem livros da biblioteca. Lembro até hoje alguns autores que li, sendo que muitos eram da série Vaga-lume, quem já leu sabe do que estou falando.

Monteiro Lobato disse certa vez:

Um país se faz com homens e livros.

Esta é em minha opinião uma das grandes verdades da vida. Pois os benefícios para quem lê são muitos, e entre todas as benesses estão: Um vocabulário mais amplo, uma melhor opinião crítica, melhor interpretação de texto e por aí vai.

Entre todas as desculpas que eu ouço de quem não gosta de ler, a falta de paciência está entre elas. Uma desculpa admirável, já que uma grande parte dessas pessoas vivem horas em frente à TV, redes sociais, etc. Simplesmente jogando o tempo fora e não tentam sequer ler um livro.

E são estes que ao longo da vida se deixarão levar por notícias falsas, publicações equivocadas ou tendenciosas. Ou que viverão a vida acompanhando o pensamento da grande massa, em uma total ignorância, presos em uma escuridão sem igual.

E se você é cristão a coisa piora ainda mais, pois seguir a Cristo sem ler ou estudar a palavra, prática fundamental para quem se diz cristão, é no mínimo contraditório. Depois ficamos brabos por falsas teologias entrarem no seio da igreja, mas a única forma de combatê-las é estudando a palavra

Porém se você tem algumas dificuldades para adquirir hábito de leitura, ou conhece alguém com estas dificuldades, segue algumas dicas:

1 – Comece lendo pequenos textos e aos poucos vá aumentando a quantidade de leitura. Se for a Bíblia melhor ainda, leia alguns versículos e tente ir aos poucos lendo mais.  Para tudo tem um começo, gosto de um provérbio chinês que diz:

“Uma jornada de duzentos quilômetros começa com um simples passo”.

2 – Procure ler para entender e não para apenas ler em quantidade, principalmente a Bíblia, não adianta você ler a palavra em um ano e assimilar pouco conteúdo, demore mais tempo e absorva mais, que com o tempo você vai se habituar a ler mais rápido

3 – Separe um tempo diário para ler e tente seguir com certo rigor. Principalmente se você é uma daquelas pessoas que não para, vai ser uma ótima oportunidade para relaxar e descontrair a cabeça.

4 – Fique longe de distrações, como celulares, redes sociais, TV e coisas do tipo, pois estas tecnologias te desviam do foco, quando for ler leia e ponto final

Estas são algumas poucas atitudes que eu tomo na hora de ler. Sou um grande incentivador da leitura, escrevo algumas resenhas de livros justo para despertar alguma curiosidade em quem gosta de ler.

Quem não lê vive no escuro, enxerga o mundo por uma lente embaçada. A falta deste costume, na maioria das vezes, gera pessoas alienadas e ignorantes, e como nunca é tarde para começar a ler, eu lhe faço um convite para embarcar nesta jornada maravilhosa.

28 visualizações

TITANIC

A história do Titanic é uma das mais trágicas que eu conheço, mas o que mais me chama a atenção na história toda, não é o fato de eles terem falado: Este navio, nem Deus afunda. E sim como eles agiram, enquanto a nau estava imergindo. Não acho, tal qual alguns fundamentalistas, que Deus ouviu esta frase e se vingou deles, não creio neste Deus vingativo, acho que o que aconteceu foi uma infelicidade de estarem em um local errado, na hora errada.

O que eu lamento neste episódio todo é o quanto o egoísmo e o preconceito com os pobres do navio levaram inúmeras cidadãos a morte, em uma chacina em nome de salvar as “pessoas mais nobres e importantes do barco”. Enquanto alguns se salvavam confortavelmente nos botes, outros morriam de frio nas águas geladas do Oceano Atlântico

Esta infeliz historia se repete nos dias de hoje, sempre e a cada hora, quando inúmeros cristãos se fecham em suas igrejas clubes e esquecem-se de olhar para os que necessitam salvação. E enquanto a volta de Cristo é aguardada nestas quatro paredes, o mundo se afoga no mar gelado do pecado.

É fácil desejar à volta de Cristo, quando você já percorre o caminho da cruz. A pergunta que fica é: E os outros?

Qual é a importância que damos aos que estão se afogando?

Será que depois que nos instalamos confortavelmente em nosso bote salva-vidas, não nos esquecemos dos que estão lá fora?

Cristo durante seu ministério, ajudou, curou e libertou muitas pessoas e o mais interessante era que muitos que tinham conhecido a Jesus e sido tocados por ele, queriam na mesma hora, sair falando de quem o havia salvado (Marcos 5:20, Mateus 9:31, João 9:11). Este sentimento e esta vontade de proclamar não existe mais nos dias de hoje, têm sido afogados pelo conforto que a igreja proporciona, e isso não podemos deixar acontecer

Ser cristão é muito mais que se fechar na igreja. Seguir a Cristo é muito mais que esperar a sua volta, o reino de Deus começa aqui. E dar exemplo, ajudar o próximo e ser luz, é o resultado do que é seguir a Cristo, este é o fruto do cristão, e pelo fruto se conhece a arvore (Lucas 6:44)

12 visualizações

O SEGUNDO CHAMADO – BRENNAN MANNING

Pai, pelo fato de ser amada

e de amar

Não tenho de

me explicar diante de ti

Não tenho de

me desculpar diante de ti

Não tenho de

me rebaixar diante de ti

Sabes tudo a meu respeito,

e me chamas de amiga

Deleita-te em mim

e dizes que me amas

Pelo fato de ser amada

e de amar,

não preciso ficar prostrada

Com o rosto em terra diante de ti

Sou livre para correr

Para dentro do circulo dos teus braços,

que estão a minha espera

Adentrar na plenitude do seu abraço

e ser acolhida no seu regaço

a salvo

fortemente

firmemente

contra o seu coração

Pelo fato de ser amada

e de amar

não preciso me preocupar

com a minha resposta ou falta de resposta

Não tenho de lutar

Com o meu desejo de compreender

Não tenho de lutar

Com o meu sentimento de indignidade

Tudo o que tenho que fazer é

ficar sossegada

permanecer bem  perto de ti

e permitir que me ames

até recuperar a minha integralidade

Pai, as vezes

A coisa mais difícil

do mundo

é ficar sossegada

permanecer bem perto de ti

e permitir que me ames

Mas, pelo fato de ser amada

e de amar

eu tento

Aqui estou eu, pai

Sossegada, ao menos desta vez

Mais perto do que jamais estive

Esperando

Aceitando

Querendo

Ama-me, Pai.

Tirado do livro: Convite à Solitude, Brennan Manning, Editora Mundo Cristão

 

31 visualizações