666

Muito se diz sobre o anticristo, tem voltado a moda esta conversa sobre chips, e coisas do gênero, e as teorias são muitas e mirabolantes. Onde os crentes aos poucos vão acreditando e comprando todas estas falácias, sem ao menos pesquisar e se informar. Falar sobre bestas é sempre um problema, são tantas, só não sei quem é mais besta, quem inventa estas histórias, ou quem acredita.

Cresci ouvindo que o livro do apocalipse é um livro misterioso que fala do futuro. Conheci inúmeras pessoas que passavam horas tentando relacionar os acontecimentos que o livro descreve com as coisas que atualmente tem acontecido. Eu respeito estas pessoas e cada um enxerga o Apocalipse de sua forma, normal. Só acho que dependendo da maneira que lemos este livro, podemos trilhar caminhos equivocados. Apocalipse é um livro cheio de figuras, monstros e acontecimentos caricatos, que podem nos levar a viajar demais na maionese. Mais do que decifrar algo, eu acredito que este livro nos traz alguns ensinos e reflexões que devemos entender e praticar. Não vejo o apocalipse como um livro que “prevê o futuro”, e sim, como um livro que desde a antiguidade tem revelado acontecimentos importantes e que com certeza, culminará em um acontecimento futuro, que é a volta de Cristo. Afinal no capítulo 1 versículo 1 e 2 o texto fala de acontecimentos que logo, naquela época iria acontecer. Alguns justificam falando que para Deus mil anos é como um dia e um dia para Deus como mil anos, conforme 2Pedro 3:8, é por isso que a narrativa deste livro não aconteceu, segundo eles. Confesso considerar este argumento bem infantil pois no livro de 2Pedro, o que o texto diz é que o tempo para Deus é indiferente, Ele está fora do tempo, Ele não se atrasa em cumprir o que disse. Porem o livro de apocalipse fala de coisas que iriam acontecer em breve, logo, portanto, algumas “previsões” do livro já deveriam ter acontecido, e isso é irrefutável, pois se a Bíblia diz que aconteceria em breve, é em breve e para interpretá-la temos que entender o contexto histórico deste livro

De acordo com a maioria dos estudiosos, a carta foi escrita em torno de 95 d.C. durante o reinado do Imperador Domiciano, durante uma sangrenta perseguição (Bíblia NTLH, 2000, Pg. 1287). E o propósito da carta era encorajar os membros das igrejas da Ásia, por conta da perseguição que acontecia (Bruce, 2009, Pg. 2212). Apocalipse, ou revelação, no grego apokalupsis, que em seu vocábulo tem a combinação de apo (da parte de) kalupto (encobrir), ou seja, desvendar tirar o véu, revela algumas verdades aos cristãos, primeiro daquela época, depois com certeza a nós. Mas Roy B. Zuck nos adverte que os cristãos judeus ou mesmo helênicos daquele primeiro século, eram mais versados nestas imagens e simbolismos apocalípticos que o livro apresenta, porem nós não somos, é por isso que todo o cuidado é pouco na hora de criar previsões e as teorias que vemos por aí. Ele continua falando que a grande dificuldade é saber até que ponto o simbolismo é literal e até que ponto é figurativo (ZUCK, 2015 PG 193), ou seja, não saia criando histórias misteriosas, pare, pense e meça as suas palavras primeiro

O texto começa falando de dois monstros, que surgem e perseguem os cristãos e termina falando que estes monstros marcam a testa e as mãos das pessoas, sendo que sem este sinal, ninguém poderia comprar ou vender. Finalmente terminando, o texto fala que a pessoa que for inteligente pode descobrir o nome, calculando o número de seu nome e é esta uma das coisas que trazem muitas falações e teorias loucas. Porém, naquela época, calcular o numero do nome de alguém era comum. Carson acrescenta:

“Muitas línguas antigas não tinha figuras para números, em vez disso, usavam as letras do alfabeto. Tornando possível, que o nome representasse um numero” (CARSON, 2012, PG 2158)

Diante disso, era possível que a igreja daquela época soubesse quem era este monstro. Diante desta sequência numérica ao longo da história da igreja, muitos se arriscaram em falar inúmeros nomes, entre eles: Tito general do exército romano, Nero, Dioclesiano, Lutero, Calvino e muitos outros nomes, aplicando várias formas de cálculos e interpretações. Porém o nome mais provável seja Neron Caesar, imperador romano (CHAMPLIN, 2014, PG 726). Adolf Pohl acrescenta que por mais que seja complicado fazer este cálculo, que se chamava gematria, é provável que João deva ter lançado este desafio de calcular, por se sentir na obrigação de prevenir a igreja quanto a um possível mal, fazendo isso de forma encoberta, para que assim ele não fosse denunciado e usar este formato de calculo gemátrico, seria perfeito para revelar o nome desta pessoa (POHL, 2001, PG 120, 121). Sobre as marcas nas mãos e testas (Apocalipse 13: 16), a resposta mais coesa é:  lealdade ao sistema é estar preso nos conceitos deste mundo, fechando negócios, fazendo concessões e esquecendo os valores que a Bíblia nos dá.

Porém, como falei no começo do texto o Apocalipse tem uma mensagem principal que eu acredito fielmente que também serve para os dias de hoje, é uma mensagem de cautela e cuidado com os acordos, negócios e conceitos que estamos comprando deste mundo. O mal está a solta, muito mais que dois monstros tem praticado blasfêmias e perseguido o povo de Deus, é só olhar para o oriente médio e para alguns países comunistas, e o povo de Deus o que faz? Faz votos com os “pastores” para receber a unção especial do óleo das videiras ungidas. Os monstros estão à solta, enquanto a igreja dorme e busca seus prazeres particulares. Eu já disse em textos anteriores, muitos cristãos procuram o sinal do anticristo e tentam adivinhar quem é o indivíduo, enquanto falsos pastores enganam e roubam seus fiéis. Muitos procuram à besta e nãos veem que ela está aí nas igrejas e comunidades, fazendo “sinais” e “prodígios” em nome de Deus tudo para enganar os eleitos desviando-os da verdade

Eu não sei quem vai ser o anticristo, muito menos quando Cristo volta, eu também não sei com certeza quem é o nome por trás deste 666, pois afinal, todos estes estudiosos podem estar enganados. Mas eu sei que tenho que buscar e seguir, tentando entender a vontade de Deus, e não conseguimos entender os seus propósitos sem ler e estudar as escrituras. Só existe uma coisa que combate estas heresias todas, um cristão fundamentado na palavra e é isso que devemos ser. 

 

BIBLIOGRAFIA

Bíblia Sagrada – Nova Tradução na Linguagem de Hoje; Ed. Soc. Bíblica do Brasil ; 2005 ; São Paulo; SP

BRUCE, FF, Comentário Bíblico NVI, Editora Vida nova, São Paulo, 2008

CHAMPLIM, RN. O Novo Testamento interpretado Versículo a Versículo, Editora Hagnos, SÃO PAULO, 2014

POHL, Adolf, Comentário Esperança, Editora Esperança, Curitiba, 1999

ZUCK, Roy B, Teologia do Novo Testamento, Editora CPAD, Rio de Janeiro, 2008

55 visualizações