PASTORAS

 Há uns dias, li uma charge de um amigo, afirmando que não conseguia achar base Bíblica para que uma mulher fosse pastora. Devido a isso, resolvi escrever este texto, por ter uma grande admiração por inúmeras pastoras que eu conheço e que batalham neste ministério, que por sinal é um dos mais difíceis, além é claro de considerar esta afirmação um tanto quanto complicada.

Quero começar conceituando o que significa ser pastor:

No hebraico raah e no grego poimén, o conceito literal é quem cuida de ovelhas. A primeira vez que aparece é em Gênesis 4:2, onde descreve a ocupação de Abel. Com base no conceito original, que pastor era o que alimentava, protegia e cuidava do rebanho, surgiu o conceito de Deus ser o pastor de Israel, conforme Gênesis 48:15, presente também no salmo 23, onde Davi chama o senhor de pastor.

Este conceito também descreve muitos líderes no antigo testamento como pastor (Números 27:17, 1Reis 22:17). Jesus Cristo também se descreveu como o bom pastor, que da a vida pelas ovelhas (João 10:11).

A pergunta que fica é: Porque durante o ministério de Cristo, parece que só os homens eram pastores ou apóstolos? Só homens eram inteligentes o bastante para serem pastores? As mulheres não eram capazes de exercer o ministério?

A resposta é um tanto quanto óbvia. No período de Jesus a sociedade era machista, a mulher não tinha muito valor e por  este motivo, Jesus teve que usar a melhor estratégia possível para propagar o evangelho, que era usar homens. Afinal, em uma sinagoga judaica, era considerado como uma grande desgraça uma mulher participar da adoração a Deus, falando ou orando. No judaísmo era proibido a mulher estudar a lei de Moisés, sem contar que a grande maioria delas eram analfabetas. E o lugar delas no judaísmo era tão inferior, que alguns rabinos consideravam a mulher como um ser que não tinha alma.

Mas isso não significava, que Jesus considerava o papel destas mulheres como inferior. Primeiro porque Cristo foi sustentado por algumas mulheres (Lucas 8:1-3), segundo, o modo que ele as tratava mostrava o quanto ele as considerava pessoas dignas, isso sem contar que elas foram as primeiras a confirmar que Cristo tinha ressuscitado (Marcos 16:1-6, João 20:11-18)

Mas apesar de todo este preconceito cultural, em 1Coríntios 16:19, Paulo saúda Priscila e Áquila e a ordem dos nomes leva alguns estudiosos afirmarem que quem tinha a posição de destaque no ministério era Priscila, já que não só neste texto mas também em Atos 18:18 e Romanos 16:3 o seu nome aparece por primeiro. Mas independente de quem era mais ativo ou não, encontramos este casal como responsáveis (ou Pastores) de uma congregação como o próprio texto afirma. Eles aparecem também como Discipuladores (Atos 18:26) e aparecem também acompanhando Paulo em uma viagem (Atos 18:18). Mas apesar destes exemplos e da bíblia citar outras mulheres que trabalhavam na obra como a Febe (Romanos 16:1) Evódia e Síntique que eram ajudantes no ministério de Paulo, a Bíblia não menciona pastoras. A Bíblia cita grandes homens e algumas poucas mulheres que aparecem aqui e acolá no novo e no velho testamento, por conta da cultura da época, como mencionei no começo do texto, mas ela não titula pastoras

Porém, reconheço que o assunto é polêmico e que muitos teólogos e pastores não concordarão em ver mulheres ordenadas no ministério, e um dos textos que eles vão usar é 1Timóteo 2:11-12 e 1Coríntios 14:34-35, que manda as mulheres ficarem caladas, aprendendo em silêncio e por ai vai. Como explicar estes textos? Alguns vão afirmar que o texto fala de mulheres que tagarelavam sem parar no culto, outros discordarão disso e colocarão inúmeras justificativas para validar a sua forma de pensar, é por isso que prefiro terminar pelo viés de Gálatas 3:28:

“ Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher; pois todos são um em Cristo Jesus”.

Somos todos um, com somente uma mensagem, apenas um propósito e exercendo somente uma função:

 Anunciar o evangelho da graça e ser luz aqui na terra (Atos 2:17).

E independente de você ter um cargo de pastor ou não, nós somos sacerdotes (1Pedro 2:9), fomos chamados para anunciar a palavra e ser luz. E este sacerdócio é mais que uma obrigação, é um privilégio concedido por Deus. E apesar de termos um pastor em nossa igreja no qual respeitamos como servo e líder. Isso não nos impede de pastorearmos e cuidarmos uns dos outros, independente se somos mulher ou homem ou se temos ou não o rótulo de pastor. Ser pastor é muito mais do que ter um título, ser pastor é muito mais que ter um cargo de destaque, é ser um cuidador de vidas, um auxiliador e isso todos nós devemos ser.

E se pastoreássemos uns aos outros, cuidássemos, ensinássemos e nos preocupássemos como deveríamos quem sabe a igreja não estaria tão hedonista como ela está

 

BIBLIOGRAFIA

 Bíblia Sagrada – Nova Tradução na Linguagem de Hoje; Ed. Soc. Bíblica do Brasil, São Paulo 2005

BRUCE, FF, Comentário Bíblico NVI, Editora Vida nova, São Paulo, 2008

CARSON. DA. Comentário Bíblico Vida Nova. SÃO PAULO – SP, EDITORA VIDA NOVA, 2012

CHAMPLIN, R.N; Novo Testamento interpretado versículo à versículo; 5 edição; São Paulo; Editora Hagnos; 2001.

CHAMPLIM, RN. Enciclopédia bíblica de teologia e filosofia. 10° ED. SÃO PAULO – SP HAGNOS. 2011

25 visualizações