Resultados para tag "vida-crista"

124 Artigos

O VERDADEIRO MILAGRE

Entenda que o tempo é sempre de Deus e nunca vamos entender porque às vezes tudo parece demorar. Só ele sabe e faz conforme lhe apraz, o que cabe a nós é seguir e confiar.

Entenda também que na maioria das vezes Deus não força a vida, não modifica o natural, nem abre um caminho “especial”. Nem sempre é com milagres que ele vai nos amparar, quase sempre o “milagre” é por um caminho normal, sem fogos de artifício ou peripécias mágicas.

Talvez o milagre maior seja suprir a nossa vida em meio à falta, nos alentar em meio a tempestade, enquanto naturalmente aguardamos o vendaval passar.

No fim o milagre maior seja aprendermos a seguir a sua vontade, crescermos com os tombos, mudarmos com as dificuldades, enquanto lá fora, de forma mais milagrosa ainda, o caos não nos trará mais medo.

Nem sempre conseguiremos identificar o que é um milagre, do que foi uma coincidência ou algo natural, mas quem conhece a Deus sabe que ele não nos deixa na mão.

Por fim, tudo vai depender da certeza, do quanto buscamos e do quanto se almeja a intimidade com o eterno. Pois quanto mais próximo, mais satisfeitos, quanto mais oramos, lemos e buscamos, por certo, teremos a certeza de que é ele que está a nos guiar, seja da forma que for. Usando meios milagrosos ou naturais, pois no fim tudo é dele e tudo dele vai continuar, nós somos apenas servos e como tais, sujeitos a sua vontade.

8 visualizações

EQUILÍBRIO – JOHN STOTT

“Comprometimento sem reflexão é fanatismo em ação; reflexão sem comprometimento é a paralisia de toda ação” (STOTT, 2012, p. 21, 29)

Talvez um dos maiores desafios do ser humano é ter equilíbrio, uma boa parte de nós, ou até quem sabe a maioria, não consegue se engajar em algo com o pé no chão, nem perceber as contradições e os pontos fracos de sua forma de pensar, religião ou partido político. Somos mestres em entrar em uma empreitada de forma cega, sem reflexão e coerência.

Com isso vemos cristãos alienados, que ouvem seus pastores sem questionar suas contradições. Ou engajados políticos que acreditam que os seus partidos são a solução para o Brasil. E tem até aqueles que acreditam que o seu modo de pensar é o mais coerente, enquanto todos estão errados, são burros e ignorantes.

Eu gosto sempre de frisar que ter equilíbrio não é tarefa fácil, é um desafio dos grandes, não é para qualquer um. Acreditar em algo, ou seguir algo, sem perceber os equívocos deste algo é uma atitude das mais normais. Principalmente quando temos boas experiências, fazemos boas amizades, ou encontramos a solução para o nosso problema neste determinado lugar. O homem é mestre em transformar experiências pessoais em regras, sejam cristãos ou qualquer outro tipo de pessoa.

Ter equilíbrio é como andar em uma corda bamba, é preciso conseguir dar os passos sem cair para qualquer um dos lados. Será totalmente fatal se um equilibrista se atrapalhar e cair, não importa o lado, a queda por si só já será letal, na vida não é muito diferente.

Comprometimento sem reflexão gera fanatismo, entrar em uma causa sem refletir, ponderar e verificar todas as variantes é perigoso e mortal para a fé.  Lembre-se que o fanático é intolerante, ele não gosta de ouvir e muito menos de dialogar. Nós não podemos impor a nossa fé, muito menos fazer o outro engolir nosso ponto de vista a força, quem faz isso é fanático, é intolerante que acredita ser o dono da verdade. Entretanto, o oposto é também verdadeiro, já que estamos falando de equilíbrio.

Não adianta sabermos refletir, termos conhecimento e sabedoria, se não temos ação. Não adianta você ser um cara crítico, que sabe enxergar as contradições em todas as áreas, se você não faz nada, se não tem ação ou movimento.

Ser apático as coisas é estar do lado oposto de quem quer impor. O homem relevante, o cristão sábio, busca ter equilíbrio, tenta estar sempre no meio, se policiando, vendo suas contradições e agindo.

Lembre-se que não existe perfeição, com isso, você vai ter que aprender a conviver com algumas contradições a fim de que não penda para qualquer um dos lados. Quando falamos do ser humano, temos que ter em mente que a imperfeição é um dos pontos principais deste ser.

Certo dia encontrei um amigo que há muito tempo não via, ele era cristão, mas há anos que não ia mais à igreja. Ele me falou que não frequentava mais, pois tinha muita coisa errada na igreja. Eu concordei e completei falando que: “onde têm pessoas, têm equívocos, não dá para exigir perfeição de ninguém, pois somos todos imperfeitos”.

Aprenda a ter equilíbrio, entenda a importância de aprender a ser equilibrado e ponderado. Não dá para cair nos extremos, ainda mais se tratando de nós seres humanos.

Entenda o quanto somos limitados, o quando estamos propícios a erros e relaxe um pouco. Por mais que tenhamos a nossa fé, que temos as nossas certezas e verdades, podemos estar errados em muita coisa. Aprenda a dar espaço para a outra pessoa falar e crer entenda que não podemos forçar, temos que aceitar a liberdade que o outro tem de discordar e aprender a conviver com isso.

Não se esqueça também do outro lado, da estagnação, do fato de que saber refletir não é muito quando junto não vem a ação. Precisamos buscar um centro, encontrar um equilíbrio para não pender nem para um lado e nem para outro.

 “Viver é andar na corda bamba, por isso, equilibre-se”

BIBLIOGRAFIA

STOTT, John, Crer é também pensar, Editora ABU, São Paulo, 2012

6 visualizações

CABELOS E LEGALISMOS

Um filho doente nunca é uma boa notícia, ainda mais criança, em seus plenos poderes de sua fragilidade e simplicidade. Um pai nunca fica tranquilo diante dessa situação, coisa que aconteceu com uma amiga.

Sua filha estava muito doente e precisou ficar internada, e se já não bastava a própria doença, que sempre nos tira o controle fazendo com que sejamos reféns de terceiros, ela precisou utilizar um hospital público.

A parte boa de ter dinheiro é justamente ter um pouco de conforto, eu nunca liguei para o status que o dinheiro dá, acredito no dinheiro de forma utilitária, tentando sempre fazer com que ele cumpra a sua função, que é nos dar um pouco de sossego e tranquilidade. Sendo que no caso desta mãe, o dinheiro proporcionaria a ela acesso a um hospital particular, com quartos privativos e um pouco mais de tranquilidade, coisa que ela não teve, infelizmente.

Por fim, lhe restou apenas a falta, por Deus, pelo menos o hospital público lhe era possível, pelo menos a certeza que a doença iria ser tratada era certa, mesmo que sem o conforto de um hospital particular.

Esta mãe era cristã, de uma igreja que tinha alguns usos e costumes, um dos principais era não cortar o cabelo. Por conta disso, esta mulher tinha um cabelo que ficava abaixo da cintura, diante do fato, uma ideia lhe surgiu, vender o cabelo.

O dinheiro oferecido foi grande, um valor que lhe ajudaria a cuidar de sua filha, e ainda ter algum conforto, além de suprir gastos eventuais de remédios e coisas básicas. A solução lhe pareceu óbvia e sem titubear, ela cortou o cabelo. Até aqui a história é uma história um tanto quanto normal, com um ótimo fundo de superação e final feliz, se não fosse pelo pastor de sua igreja.

O pastor não gostou do seu corte de cabelo, acabou por condenar-lhe e de quebra expulsou aquela mãe da igreja, afirmando que a sua atitude foi pecaminosa e mundana.

Infelizmente a história é verídica, não bastou a doença, a mãe teve que lidar com esta situação, coisa que fez bem, pois ela não culpou Deus e seguiu com sua fé em outra igreja. O problema é que os casos são muitos e nem todos têm a garra que esta mãe teve, com isso, acabam por transferir para Deus a culpa, ou seguem a margem da mesma religião que deveria ajudá-la.

O legalismo não produz frutos, o resultado principal é sempre podre a mal formado. Não existe resultado coerente e construtivo em quem vive o evangelho de forma pedante e sem amor.

O legalismo é fruto de mentes hipócritas, de quem vive uma vida de orgulho e soberba. Sabe-se muito de quem não demora em julgar. A conclusão para quem não ama o próximo e demora em ajudá-lo é que “esta pessoa não conhece o evangelho”.

Cristo pregou a mensagem da graça, sendo a graça não só a prova de que por nós mesmos não pode haver salvação, mas também a prova que somos todos iguais. O homem é pecador, todos os homens precisam de Deus.

O evangelho legalista vem de mentes superiores, de pastores que olham de cima e se sentem os escolhidos, os mais santos, os especiais. Miroslav Volf complementa:

“Para os cristãos, a fé produz efeitos devastadores quando se deteriora e se torna uma mera cultura pessoal ou um recurso cultural de pessoas cuja vida se guia por qualquer outra coisa exceto essa fé” (VOLF, 2018, p. 40)

No fim, o que concluímos é que alguns vivem o “evangelho” dos usos e costumes, se prendem a ensinos que são passados sem qualquer base Bíblica, fazendo com que o legalismo, oriundo de uma vida baseada em obras, seja o que realmente dita o modo de ser cristão.

O evangelho genuíno traz amor, compreensão e paciência pelo erro alheio. Um convertido genuíno entende que cada um tem os seus erros, cabe a nós sermos apoios, e não acusação. Não se trata de compactuar com o erro, e sim ajudar a pessoa chegar na superação de suas dificuldades.

Não somos salvos por obras, roupas ou o que quer que seja, e sim, pela graça. Sendo que não existe um estilo de se vestir, mas uma forma de ser, tendo o evangelho como centro das nossas vidas. O que passa disso geralmente é legalismo, por isso, tome cuidado.

BIBLIOGRAFIA

VOLF, Miroslav, Uma fé pública, Como o cristão pode contribuir para o bem comum, Editora Mundo Cristão, São Paulo, 2018

16 visualizações

A DIFÍCIL ARTE DE OLHAR O PRÓXIMO

Aprendi a olhar os outros, como quem olha para si, para os seus defeitos, dificuldades e qualidades. Eu não sou perfeito, ao contrário, o que mais me sobra são os defeitos e é bem por este motivo que eu tento ver os outros como vejo a mim. Um misto de maldade e bondade, qualidades e falhas.

É interessante quando algumas vezes olharmos para trás e vemos quem éramos e o que somos hoje.  Quando eu me lembro de algumas das minhas histórias, erros e equívocos e como eu lidava com estes acontecimentos, eu rio, rio muito, isso quando não me envergonho. Por isso acho difícil não olhar para os outros e ver um pouquinho de si, principalmente em casos de inconsequências e teimosias, eu fui assim, é impossível não me sentir empático.

As vezes acredito que o cara chato, insistente e tagarela pode ser apenas um carente, ou uma pobre alma tentando ser entendida em meio as suas dificuldades, tal qual eu fui.

E o workaholic talvez seja apenas um cara vazio, que busca em seu trabalho a fuga de uma vida sem sentido. Ou pior, que acredita que o sentido da sua vida é trabalhar. Quem sabe, aquele cara teimoso, que não dá espaço algum de diálogo é apenas alguém que apanhou muito e não soube lidar com as dificuldades.

Entender o próximo e suas maneiras é dar uma chance para si por tabela, tendo em mente que nem sempre somos os descolados que imaginamos ser, nem sempre seremos os mais motivados e estabilizados, e nem sempre perceberemos se estamos trilhando o caminho certo.

O tempo passa não se esqueça disso, hoje você pode ser jovem, mas amanhã não mais será. Hoje você pode estar bem, mas amanhã pode estar lidando com algo inesperado. É a lei da vida, sendo que as vezes depois da meia noite, quase sempre a carruagem vira abóbora e o nosso encanto se vai. O tempo é assim, um conto de fadas mal contado, sendo que é ante o cansaço da vida que vem a solidão e a percepção de que o tempo segue e quase tudo muda.

A arte de olhar o próximo é complicada, pois não existe receita, é na tentativa e erro, mais erro do que boas tentativas, sendo que no afã de acertar muitas vezes erramos. Olhar o próximo como único é quase impossível, pois vemos os outros a partir de nós e nossas experiências, e aí é que está o problema.

Ninguém sabe o quanto o sapato aperta, só calçando para ter certeza. Tem dias que o outro vai devagar por conta do caminho, que para nós é um tanto quanto fácil e tem momentos que somos criticados por algo tão comum no ponto de vista da pessoa, que somos ridicularizados por sermos fracos. O problema dos outros é sempre fácil de resolver, o problema nosso que é o desafio.

Por isso digo que ao olhar o próximo, tente entender a partir dele, de suas quedas e dificuldades, trate a dor dos outros como você queria que a sua fosse tratada, afinal, cada um luta a sua luta, e por isso, cada um sabe o quando a estrada é difícil.

Não menospreze nenhuma caminhada, cada um tem seu ritmo, tem suas pedras e a sua estrada.

9 visualizações

ESTRANHO OU DIFERENTE? – WARREN W. WIERSBE

“Quando você é diferente, atrai as pessoas; quando é estranho, repele-as; quando é uma imitação barata, convida o escárnio a entrar em sua vida” (WIERSBE, 2011, 119)

A citação me faz lembrar de um colega de trabalho, ele era cristão, mas também era a piada pronta dentro da empresa. Todo mundo o achava um ET. Seu modo de falar era muito curioso, sua maneira de se portar, ridícula.

Não se misturava, não conversava de outra coisa que não fosse sobre igreja ou a Bíblia, e usava o conhecido evangeliquês para se comunicar. Ninguém o entendia, e ainda por cima, tiravam sarro dele. Entenda que é importante saber a diferença entre ser diferente, de fazer a diferença onde você está e entre ser estranho, incompreensível, bizarro.  

Primeiro, é bom você ter em mente que ser cristão não é um tipo de linguagem, de roupa ou trejeitos. Ser cristão é um encontro, é um dia onde você foi achado e tocado pelo Espírito Santo. Ser cristão é imitar a Cristo, ter uma vida consciente, é saber quem você é e do quanto você precisa de Deus.

Segundo, para ser diferença no meio das pessoas e para que o evangelho entre, se propague em meio aos seus amigos, família e colegas, você tem que usar de uma linguagem no qual todos entendam. Você deve viver o evangelho, ser um crente genuíno, que mostra quem você foi e quem você é agora, com todas as falhas e dificuldades que todos nós seres humanos temos.

É possível transmitir Deus no modo de agir, mostrando honestidade, ética e profissionalismo, basta ter sinceridade em nossos atos. Quem segue a Deus, faz tudo para honra-lo, faz tudo como para o senhor (Colossenses 3:23), uma vida assim já transmite o evangelho. Entretanto, sabemos que falar também é importante e é possível falar e aconselhar com linguagens acessíveis e de uma forma no qual todos entendam.

Ser cristão é ser genuíno, ser diferença está muito ligado ao fato de não parecermos uma cópia, um rascunho mal feito do que não vivemos. Quando quisermos parecer algo que não somos, certamente, e com toda a certeza, seremos vistos como uma imitação barata, uma cópia pirata, motivo de escárnio e zombaria.

Se fingir de santo não faz de você um santo, agora ouvir, ser sincero e não se achar superior, com certeza te faz. Somos separados, mas não somos perfeitos. Fomos tocados pelo evangelho, mas não somos melhores do que os outros por isso.

Ter a consciência de que Deus nos perdoa, que ele é misericordioso e não demora em nos ajudar, é um principio que deve estar encarnado em nossa vida, para quando você for evangelizar, suas palavras sejam mais de amor, do que de raiva e acusação.

Lembre-se, você deve amar como Deus nos amou (1 João 4:7-8), o evangelho é isso, é agir como Deus age conosco, o resto é ensino pirata e o caminho para o escárnio.

BIBLIOGRAFIA

WIERSBE, Warren, W. Jesus presente, Experimente a atualidade e o poder das declarações do Filho de Deus em sua vida, Editora Thomas Nelson Brasil, Rio de Janeiro, 2011

4 visualizações

VER A FACE DE DEUS

Eu cresci em uma família cristã, ouvindo os mais diversos testemunhos e histórias, das mais miraculosas as mais bizarras e incoerentes. Fez parte da minha infância ouvir sobre pessoas que iam para o céu, conversavam com Deus. Algumas até iam ao inferno, viam as pessoas sofrerem e voltavam para proclamar a mensagem aos vivos.

O que tinha em comum em todas estas histórias era a naturalidade no qual o cara entrava no céu, conversava com Deus, sentava com ele batia um papo, sendo que uma vez eu até ouvi falar de um cara que chegou a sentar em uma mesa com as três pessoas da trindade e os ajudou com um conselho, como se ela fosse mais sábia que a trindade.

Quando eu olho para a Bíblia, que é a nossa regra de fé, eu vejo justamente o oposto. O temor, o profundo o sentimento fragilidade é muito mais visível em pessoas que tiveram um encontro com Deus do que a história furada destes camaradas.

Em Juízes 13:22, depois do anjo do senhor trazer a notícia para o pai e a mãe de Sanção, dizendo que o seu filho libertaria Israel das mãos dos filisteus. O texto bíblico diz que Manoá, o pai de Sanção, fala as seguintes palavras:

“Sem dúvida vamos morrer!” disse ele à mulher, “pois vimos a Deus!”.

Ele não sabia que aquele homem não era Deus e sim um anjo, por isso achava que seria consumido por ter visto Deus, tamanho o temor e a consciência que este homem tinha. Moisés quis ver a face de Deus, porém Deus responde:

“Você não poderá ver a minha face, porque ninguém poderá ver-me e continuar vivo”.

E prosseguiu o Senhor: “Há aqui um lugar perto de mim, onde você ficará, em cima de uma rocha.

Quando a minha glória passar, eu o colocarei numa fenda da rocha e o cobrirei com a minha mão até que eu tenha acabado de passar.

Então tirarei a minha mão e você verá as minhas costas; mas a minha face ninguém poderá ver” (Êxodo 33:20-23)

Ou seja, é impossível ver Deus sem ser consumido, somos muito pecadores para ver Deus e não ser consumido por sua santidade. Paulo no caminho de Damasco viu Cristo glorificado e ficou cego (Atos 9:3-27). Pedro depois de uma noite inteira tentando pescar, resolve seguir o conselho de Jesus e jogar a rede, e depois de ver a rede se rasgar de tanto peixe, fruto de um milagre impressionante, profere uma frase no qual acho uma das mais belas e profundas da Bíblia:

Quando Simão Pedro viu isso, prostrou-se aos pés de Jesus e disse: “Afasta-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador!” (Lucas 5:8)

Quando Deus se mostra a estas pessoas, ele revela quem elas realmente são. Ver a face de Deus ou estar na presença de Deus sem nos sentirmos pecadores, pequenos e dignos de morte é uma contradição com a própria palavra. Sendo que ter um encontro pessoal com Deus e não mudar de vida é uma contradição maior ainda

Eu tenho medo de testemunhos que enfatizam o homem, ou que dão a entender que determinados pastores são privilegiados. Eu tenho medo de histórias antropocêntricas, recheadas de orgulho e arrogância.

Temor; é isso que falta em muitos destes pastores e cristãos que seguem contando as suas histórias a fim de impressionar quem não conhece a palavra.

A reverência está em falta em algumas igrejas desse nosso mundão. Tratar o sagrado com leviandade tem sido uma das especialidades de alguns destes pastores e pregadores.

Fuja de pregação ou testemunho que não aponta para Deus. Fuja também de pastores que entram e saem no céu ou inferno a toda hora, como se fossem cristãos Vips. Não troque a mensagem de salvação pela mensagem de exaltação, de quem prega querendo contar vantagem. Lembre-se dos muitos na Bíblia que viram a Deus e nunca mais foram os mesmos.

Não se esqueça de que a mensagem cristã sempre aponta para Deus, e nunca para o homem, Ele é o único digno de ser exaltado, e se isso não acontece, tenha a certeza de que a mensagem não vem de Deus.

15 visualizações

MOTIVAÇÕES

Um ponto que as vezes passa despercebido quando lemos a Bíblia é justamente sobre motivações. Sobre por que fazemos o que fazemos, sobre qual é o motor que nos leva a agirmos de certas formas.

O capítulo 6 de Mateus narra alguns episódios muito comuns em nosso meio que são orar, jejuar, sobre a importância que damos as riquezas etc. Sendo que entre todos estes fatos, uma questão fica bem clara: Qual é a sua motivação para fazer o que você faz?

Cristo deveria estar cansado de ver homens jejuarem, darem esmolas ou orar com a motivação errada, se fazendo de santos e piedosos. O curioso era que a multidão muitas vezes via aquelas atitudes hipócritas dos religiosos como atitudes espirituais, mas Jesus sabia quem eles realmente eram e para estes e todos os outros hipócritas o texto nos dá 3 avisos.

O primeiro aviso é que Deus conhece o nosso coração, pois ele tudo vê. Não adianta você achar que está enganando alguém, pois a Deus ninguém engana.

Diante disso é importante ter a consciência de que a nossa vida deve ser uma vida de eterna oferta a Deus, e que tudo o que sentirmos em fazer, sendo importante ou não aos olhos dos homens, deve ser feito com o propósito de agradar ao nosso Pai e somente a ele.

O segundo aviso que fica claro no texto é que se você busca recompensas terrenas, são só elas que você vai ter.

A vida é feita de prioridades e se as suas são apenas as coisas terrenas, é só recompensas terrenas que você receberá. Quer parecer ser um bom cristão? Você vai parecer aos olhos dos homens. Quer parecer ser um cara generoso?  Você vai ser conhecido assim por todos os amigos. Quer parecer ser um cara de oração? Com certeza aos olhos de todos você será, não tenha dúvidas, mas entenda que Deus saberá o quão fraudulento sua vida é.

O querer ser deve estar ligado com a nossa prioridade de agradar a Deus, e não no fato de nos mostrarmos a todos. É muito pouco viver a vida para agradarmos a homens, a vida é muito passageira para cultivarmos práticas que morrerão com este mundo.

Mas existe uma terceira lição, com certeza a mais importante que aprendemos com este texto. O resultado vem só para quem têm as prioridades certas.

Deus não é um gênio da lâmpada, que existe a fim de realizar nossos desejos. Ao contrário, nós existimos para fazer a vontade de dele.

Ser cristão é saber bem quem somos, é servir, é ter Deus como centro de tudo. Penso que tudo começa a ter sentido em nossa vida quando entendemos quem somos e o que viramos quando não olhamos para Deus. Anselm Grün tem uma citação que resume bem a questão:

Onde não há humildade, também não há Deus (GRÜN, 1994, p. 106)

Sendo que o ponto principal da humildade é entendermos que sem Deus somos autodestrutivos.

Por isso não engane Deus, nem ache que agradar a homens é um exercício cristão. Entenda quem você é e faça as coisas tendo Deus no centro de tudo. Que a sua motivação seja apenas uma e que viver o evangelho seja uma atitude natural e não uma vida de representação, buscando aplausos que no fim de tudo não valerão para muita coisa.

BIBLIOGRAFIA

GRÜM, Anselm, O céu começa em você, A sabedoria dos padres do deserto para hoje, Editora Vozes, Rio de Janeiro,1994  

15 visualizações

O CAOS NOSSO DE CADA DIA

Eu tenho medo destes filósofos e pensadores que afirmam que o homem nasce bom e é a sociedade que o corrompe e o desvia de sua bondade. Eu ouço muito isso em minha segunda graduação, para estes pensadores todo o mal e desigualdade são culpa do capitalismo, sociedade e coisa e tal.

 Eu sei que o capitalismo não é perfeito e tem seus furos, só que acredito também que o comunismo é tão utópico e injusto quanto, sem esquecer que o homem não precisa de ferramenta ou sistema político algum para ser mau. Ele já é por natureza, basta coloca-lo em um local com mais de uma pessoa

Acho curioso quem tenta justificar o comportamento do homem e crê que existe uma forma de conduzirmos a humanidade para uma sociedade que seja boa e igualitária. Acho lindo o sonho de uma sociedade justa e feliz, infelizmente eu sei que onde existem pessoas sempre existirá o mau, eu não me iludo.

O homem é o caos ambulante, ele é decaído e mau, é nisso que nós cristãos acreditamos. Não acreditamos que uma sociedade é que nos faz mau, e sim que já o somos assim por natureza, como parte de sermos contaminados pelo pecado.

Uma das provas é o nosso egoísmo, que diga-se de passagem, é óbvio e claro como água. Queremos ser ouvidos, queremos as coisas de nosso jeito, queremos tudo de nossa forma e com isso o caos vai se instalando, afinal, o mundo não comporta tantos tentando ser felizes. Há quem diga que um dos problemas do mundo é o ser humano, cada qual tentando ser feliz de sua maneira.

O homem é um caos ambulante, contraditório, pequeno e fraco. Quer ser aceito e valorizado, sem aceitar a si mesmo como é. Ele corre atrás da felicidade, mas esquece de que ser feliz é um resultado não um fim. Quer um mundo sem dor e problemas, porém esquece-se das lições que a dor traz. Culpa o capitalismo pelas mazelas e injustiças da vida, mas coloca a sua esperança em outra teoria política, sem ver seus furos e contradições, e principalmente, sem ver que a culpa no fim é dele mesmo. Gosto de uma citação de Lewis, tirado do livro “Ética para viver melhor” que resume bem o contraditório ser humano:

“Nada tem mais potencial para destruir uma espécie ou uma nação do que a determinação de sobreviver a qualquer preço. Os que se preocupam com algo além da civilização são, provavelmente, os únicos que a preservarão” (LEWIS, 177, 2017)

No intuito de sobreviver nos destruímos e destruímos tudo ao redor. Na missão de sermos felizes, cada qual de sua maneira, acabamos cultivando mais caos que paz.

A teologia nos ensina que o homem é depravado, decaído e mal. O homem nasce no pecado, não adquire seus maus comportamentos por conta de fatores externos, e sim internos. E a teologia nos ensina também que Cristo veio para nos mostrar quem somos, e do quanto precisamos de Deus para não nos consumirmos. A essência de ser cristão é sabermos que não somos nada, e que precisamos de Cristo para nos redimir, nos salvar e nos dar uma nova vida. Vida esta que se resulta em frutos visíveis aqui na terra, como otimamente nos ensina Gálatas 5:22-23:

“Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei”.

Enfim, ser Cristão é ser um imitador de Cristo, é ser um servidor, um construtor. Não temos chance sem ele e a sua graça, não existe outra forma de ser gente da maneira certa se não olharmos para a cruz, buscando a graça de Cristo dia após dia.

É só quem olha para Cristo que conseguirá olhar para o próximo. É só quem compreende quem realmente é que entenderá o ser humano e suas contradições. É impossível sermos felizes se não buscarmos a felicidade na fonte, que é Deus, pois tudo o que vem de nós mesmos é mal, egoísta e contraditório, o verdadeiro amor, sabedoria e felicidade é que vem de Deus.

BIBLIOGRAFIA

LEWIS, C.S, Ética para viver melhor, Diferentes atitudes para agir corretamente, Editora Pórtico, São Paulo, 2017

15 visualizações

LIBERDADE

Uns anos atrás em um ônibus lotado, enquanto me dirigia para casa, começou a cair uma chuva grossa. Em um reflexo instintivo fechei a janela, deixando apenas uma fresta para não morrer sufocado, mas o suficiente para que não entrasse chuva. 

Todavia depois de alguns minutos, eis que entra no ônibus uma moça encalorada, daquelas que entram abrindo as janelas como loucas, sem ver as consequências de uma janela aberta para quem está sentado. Infelizmente uma das janelas era a minha, sendo que novamente resolvi fechar a janela para não chegar em casa ensopado. O resultado da minha atitude foi ver uma moça histérica, gritando como louca, enquanto eu tentava explicar, sem sucesso, que eu apenas não queria me molhar. Foi um caos, um misto de gritaria e infantilidade crônica de quem não sabia dialogar.

Há quem acredite em um mundo livre, onde todos possam fazer o que bem entendem, na hora que bem quiserem. Conheço pessoas que lutam por um mundo sem regras, sendo a liberdade à única norma. Como se um mundo assim fosse possível, soa até como piada, pois o homem mal consegue beber e não dirigir, quanto mais viver com ética e responsabilidade.

Roger Scruton no livro: “As vantagens do pessimismo…” resume bem a importância das leis para que assim tenhamos uma vida realmente livre:

“A liberdade é genuína somente quando limitada pelas leis e instituições que nos tornam responsáveis uns pelos outros, que nos obrigam a reconhecer a liberdade dos outros e também a tratar os outros com respeito” (SCRUTON, 2015, 49)

Imagine um mundo onde todos fazem o que bem entendem, alguns ouvindo som alto em plena madrugada, outros andando em alta velocidade e até agindo de uma forma que agrida o próximo? O mundo seria um caos se não existissem leis que nos obrigassem a olhar para o vizinho e respeitá-lo.

Não existe liberdade sem leis, é impossível sermos realmente livres, se não tivermos reguladores que impeçam o homem de fazer mal ao próprio homem. A própria busca da tal felicidade já iria de encontro com a busca de felicidade de um outro, com isto o caos estaria instalado. Afinal, cada um pensa de um jeito, crê de uma forma e vive de determinada maneira. Se não tivéssemos leis, com certeza nos consumiríamos.

A verdadeira liberdade está em saber viver em sociedade. Um cidadão livre é aquele que sabe viver o “nós”. Um país sem leis justas não é um país livre, um cidadão que não sabe viver em sociedade, certamente não é feliz.

Deus nos livre de um país sem leis, para que não sejamos destruídos pela felicidade alheia, penso que o homem fosse realmente livre, o mundo já seria um caos, o mundo já estaria acabado, a natureza um projeto da decadência.

Por isso, lembre-se o que é liberdade antes de ligar o som alto, aprenda a colocar-se no lugar da pessoa que só quer um dia de paz. Quando abrir a janela do ônibus, observe se com isso você não vai prejudicar o outro com sua atitude, você não tem o direito de prejudicar ninguém em nome de estar bem.

 

 

BIBLIOGRAFIA

SCRUTON, Roger, As vantagens do pessimismo e o perigo da falsa esperança, É Realizações Editora, São Paulo, 2015

14 visualizações

DEPRESSÃO SEGUNDO UM DEPRESSIVO

Alguns assuntos nos desnudam, nem tudo é fácil de escrever por nos expor demais, dando assim voz a más interpretações e equívocos. Escrever é sempre um risco, mas é um risco que eu gosto de correr, então vamos lá.

Considero interessante observar pessoas explicando a depressão, cada ponto de vista, pontuação e frase me deixa pensativo ao mesmo tempo em que eu lamento muito. Em especial as frases de efeito, que tentam ajudar, mas acho que complica ainda mais.

Alguns afirmam que depressão é excesso de passado, outros dizem que é frescura de quem não tem o que fazer, e tem até quem diga que depressão é falta de oração, como eu mesmo ouvi uma vez em sala de aula. O pior foi que naquele período eu passava por um período muito complicado, e a frase só ajudou a me deixar mais indignado.

São muitas as teorias que tentam definir o que é depressão e em terras em que pastores, cristãos e pessoas das mais diversas estão se matando, acredito que trazer o assunto a tona é ainda muito necessário. Eu já escrevi sobre o assunto no texto “Depressão”, se quiser ler fique a vontade é só clicar no link Depressão, mas o propósito deste texto é dar outro enfoque. Eu também já falei se os suicidas vão para o céu no texto “Os suicidas vão para o céu?”é também só clicar, e também já falei sobre depressão pastoral.  A intenção com este texto é dar o meu ponto de vista, talvez mais um entre tantos, do que é depressão.

Tenho uma enorme empatia pelos depressivos, a parte ruim é que eu tenho esta empatia talvez por também ter sofrido da doença. Eu queria poder concordar com quem fala que depressão é falta de Deus, oração ou coisas do tipo, mas eu não consigo, principalmente por ter orado, chorado aos pés de Cristo, sem muito sucesso. Isso sem contar com os inúmeros homens de Deus que sofreram de tal problema a vida toda e nunca tiveram a cura. Eu também queria acreditar que é falta do que fazer, mas por eu ser muito ocupado, fica difícil de acreditar em tal coisa, e muito menos que é frescura ou excesso de passado, coisa que eu creio não ter, sem falar que eu não ligo muito para o meu passado, com isso, as frases acabam por não falar nada.

De forma bem simples e nada técnico, já que não sou psicólogo, explicarei o que é depressão, segundo quem sentiu e tentarei fazer quem não entende, entender o motivo no qual algumas frases de efeito não explicam ao certo o que é.

A depressão é um profundo sentimento de tristeza, poderíamos chamar de uma tristeza crônica, que nos acompanha em todo o lado. Entenda que eu não sou infeliz, sou completamente realizado, seja como esposo, profissional, como teólogo, músico ou escritor. Eu sou feliz, mas as vezes sinto uma constante tristeza, sendo que tem períodos que é sempre e em alguns momentos são esporádicos.

Não é que eu não ria, não fique de bom humor, muito menos que a todo o instante quero me matar, e sim, que por mais que eu esteja em um ambiente alegre, com ótimas pessoas, feliz por tudo e todos, a tristeza sempre está lá, em um cantinho misterioso do coração me aguardando, sempre presente entre uma risada e outra, ou uma felicidade e outra.

Eu creio que o suicídio, as tentativas de suicídio ou o modo autodestrutivo no qual alguns depressivos vivem, é apenas a consequência desta tristeza crônica. Cada um cala a dor de uma maneira, alguns choram como nunca choraram, outros tomam caminhos destrutivos e complicados, e alguns choram aos pés da cruz e tentam lidar com todo o cinza que invade o peito.

Digamos que ainda sou um depressivo, mas meus episódios atualmente são poucos. Hoje consigo lidar um pouco com toda a tristeza e sigo até que bem. Eu ainda sou triste em alguns momentos e em outros me sinto profundamente alegre, mas são períodos curtos, que com a graça de Deus tenho conseguido lidar, sustentado a todo momento por seu poder.

Lamento profundamente quem espiritualiza estas coisas, fico triste por quem se encontra em igrejas que não possuem diálogo e acabam por ter que carregar este fardo sozinho, isso quando conseguem. Eu só queria que você entendesse que depressão é coisa séria, e nem sempre tem cura.

Nós julgamos tudo a todo o momento, por isso eu só peço que antes de julgar, se informe, tente entender este tipo de dor, procure conhecer pessoas assim, e se aprofunde no tema.

Ao encontrá-las, não precisa aplicar fórmulas, nem tentar solucionar os sintomas da sua maneira, só ouça, compreenda sua dor, caminhe junto. Isso já conta muito para quem segue uma vida cinza.

No mais é só oração e confiar que com a graça de Deus seguiremos bem, esta é a minha oração dia a dia, fico feliz que não seja a sua, por isso, aprenda a não ter preconceito.

38 visualizações