Resultados para tag "pensadores-que-me-influenciaram"

14 Artigos

JORNADA CRISTÃ 14: CASAMENTO

Foi inevitável, em um dado momento da minha vida eu começar a pesquisar livros sobre casamento, visto que eu estava em vias de me casar. Sendo que foi por coincidência que eu acabei encontrando o livro: “Casamento: da sobrevivência ao sucesso” de Charles Swindoll. Eu já o conhecia como autor de alguns ótimos livros de teologia como a série de livro “Heróis da fé” ou “Vivendo sem máscaras” e muitas outras obras que me ajudaram na caminhada, mas este livro eu não conhecia.

Em nossa cidade em alguns shoppings, existem algumas bancas de livros promocionais que vendem livros por dez reais, a marca da empresa é justamente esta, vender livros baratos. Nestas bancas você encontra de tudo, e por um preço ótimo. E como por coincidência, este excelente livro me achou.

Viver a vida a dois, nunca é fácil, manter equilíbrio nesta vida, mais ainda, por isso que, boas obras, de autores que entendem bem do assunto e já são casados há muito tempo, nos ajudam.

O livro é um fundamental guia, com ele eu pude me preparar e entender um pouco da dinâmica familiar. Como eu vivia sozinho há muitos anos, o livro foi a minha bússola, um auxílio para entender um pouco mais sobre este universo.

Swindoll mistura o ensino bíblico com boas doses de bom humor, em uma área que normalmente possui pontos complicados. O modo como ele usa as suas experiências, sem propor fórmulas pré-fabricadas, se concentrando em falar de um casamento a luz da Bíblia, é genial.

O livro todo é ótimo, mas a parte que gosto é logo no primeiro capítulo, onde ele fala como o mundo mudou e continuará mudando. A nossa família não é a família dos nossos avós, os tempos mudaram e vão continuar mudando, com isso, temos desafios e situações onde provavelmente nossos pais e avós não enfrentaram, e vice versa. Destaco um breve resumo do capítulo, proposto pelo próprio autor, que sintetiza e traz uma boa luz ao assunto:

“O mundo mudou e continuará a mudar, mas Deus não muda nunca; portanto, sentimos segurança quando nos aproximamos dele (SWINDOLL, 2012, p. 21).

É só em Deus que devemos depositar a nossa segurança, sendo que o segredo do casamento de sucesso é colocar Deus no centro de tudo.

Nunca é fácil lidar com pessoas, cada um é um ser único, com anseios, pontos de vista e dificuldades únicas, não dá para generalizar, por isso que o princípio de tudo deve ser Deus.

O autor trabalha o tema de forma muito pontual e realista, o livro é fundamental para quem quer entender toda a dinâmica familiar, para assim dar passos mais seguros dentro do lar. Entre todos os livros que tenho deste autor, este é apenas um deles e o meu preferido, um dos principais sobre o assunto, vale a leitura.

BIBLIOGRAFIA

SWINDOLL, Charles R, Casamento: da sobrevivência ao sucesso, Editora Thomas Nelson Brasil, Rio de Janeiro, 2012.

15 visualizações

JORNADA CRISTÃ 13: UM GIGANTE DA FÉ

Eu creio que todo o cristão deveria ler alguns importantes clássicos, autores que foram fundamentais para a fé cristã, sendo que Agostinho é o principal de todos, um verdadeiro Gigante da Fé.

Nascido em Tagaste, no norte da África, berço de mais três grandes homens, “Tertuliano, Cipriano e Atanásio”, Agostinho foi um pensador acima da média, mostrando a importância de buscarmos uma compreensão da fé. Autor profícuo, escreveu muitas obras, com uma variedade grande de temas (FERREIRA, 2007, p. 16, 36).

Sua principal e mais conhecida obra se chama “Confissões”, um livro autobiográfico, que tem como propósito falar de sua vida, antes e depois da conversão, além de abordar alguns temas, como por exemplo, a sua visão de Deus. Gosto de como Agostinho descreve Deus, além de belo, considero um interessante resumo de como Deus é:

“Quem sois portanto Deus? Que sois vós, pergunto, senão o senhor Deus? E que outro há além do senhor, ou que outro Deus além do nosso Deus? Ó Deus tão alto, tão excelente, tão poderoso, tão onipotente, tão misericordioso e tão justo, tão oculto e tão presente, tão formoso e tão forte, estável e incompreensível, imutável e tudo mudando, nunca novo e nunca antigo, inovando tudo, cavando a ruína dos soberbos, sem que eles o advirtam; sempre em ação e sempre em repouso; granjeando sem precisão; conduzindo, enchendo e protegendo, criando, nutrindo e aperfeiçoando, buscando, ainda que nada Vos falte” (AGOSTINHO, 2004, p. 39, 40)

Na obra o autor também trata temas como “O problema do mal”, “A eternidade de Deus” e muitos assuntos fundamentais para a fé cristã. É claro que, alguns temas são intrínsecos, difíceis de digerir, mas vale a leitura.

Os dois principais livros de Agostinho são justamente “Confissões” e “Cidade de Deus”, mas o autor possui muito mais abras como: “O livre-arbítrio”, “A graça”, “A natureza do bem”, entre tantos títulos. Contudo, o livro “Confissões” é ideal para dar os primeiros passos na obra do autor. Pois além de ser um clássico, ele discorre sobre vários temas importantes para a fé, como eu pontuei.

Eu li Confissões depois de um bom tempo de estudo e leitura, não é a toa que eu não indiquei a obra em meus primeiros textos, contudo, o livro não é dos mais difíceis, digamos que o nível de dificuldade é médio. Depois de um tempo, e após ter tido contato com literatura mais densa, um livro como este, torna-se uma leitura tranquila.

Reforço o que eu disse em outros textos, é importante ter contato com uma literatura mais densa. E por mais que seja difícil, requer disciplina e persistência na leitura e no estudo, é importante ter contato. É realmente gratificante ler obras mais complexas. Faz você ampliar o seu horizonte de leitura, te tira do comum, e te dá mais repertório.

Um livro muito recomendado, literatura fundamental para quem quer ampliar o seu olhar cristão. Para crescermos, precisamos nos apoiar em gigantes e Agostinho foi um deles.

BIBLIOGRAFIA

Ferreira, Franklin, Agostinho de A a Z, Vida Acadêmica, São Paulo, 2007.

AGOSTINHO, Santo, Confissões, Editora Nova Cultural, São Paulo, 2004.

13 visualizações

JORNADA CRISTÃ 12: FILOSOFIA

Foi durante o bacharelado em teologia que tive o primeiro contato com a filosofia, com todos os pensadores que colaboraram com o conhecimento e seus conceitos filosóficos. Conhecer a filosofia foi um fator determinante para me desenvolver como teólogo.

Nesse ínterim, fui em busca de livros com o propósito de mergulhar ainda mais no assunto, e apesar de algumas tentativas frustradas, afinal, alguns autores são realmente desafiadores, o primeiro filósofo que me ajudou a ter um pouco mais de contato com a filosofia foi Luiz Felipe Pondé e o seu livro “Guia politicamente incorreto da filosofia” a obra me fez ter uma ideia mais acurada sobre o tamanho do universo no qual eu desejava mergulhar.

Gosto da forma ácida que Pondé escreve, ao mesmo tempo que transita por vários temas, sendo este um dos pontos que me chamou mais atenção no autor. Ele conseguia dialogar tanto sobre religião, política até a própria filosofia, entre tantos assuntos, sempre com um olhar filosófico.

A filosofia me incentivou a fazer uma especialização, após formado, por perceber o quão importante a filosofia pode ser para a nossa vida, ministério ou teologia. Pondé no livro “Filosofia para corajosos” acrescenta pontuando que:

“De certa forma, a filosofia só existe na gratidão para com o pensamento dos outros e na generosidade em doar o seu pensamento para os outros” (PONDÉ, 2016, p. 19).

Conhecer as várias formas de pensar, os clássicos e as inúmeras obras que podemos lançar mão em nome de nosso conhecimento e crescimento pessoal, é fundamental para que a nossa vida e ministério frutifiquem. E por mais que você tenha o costume de não ler autores que não sejam cristãos, e eu respeito isso, apensar de não concordar. É grande o número de filósofos cristãos, que você pode ter contato para aprender.

No meio acadêmico, este autor não é levado tão a sério, talvez por ser famoso ou por escrever para leigos. A questão é que até hoje eu acompanho as obras do autor, e apesar de não concordar com tudo o que ele escreve, normal isso é muito saudável, foi com seus livros que consegui dar os primeiros passos na filosofia.

Não é tão fácil estudar filosofia, mas é importante, seja para pastores ou teólogos. As ferramentas que a filosofia nos dá, podem nos auxiliar muito em nossa caminhada teológica.

BIBLIOGRAFIA

PONDÉ, Luiz. Felipe, Filosofia para corajosos: pense com a própria cabeça, Editora Planeta, São Paulo, 2016.

7 visualizações

JORNADA CRISTÃ 11: ENXERGANDO OS DETALHES

Gosto de pessoas que conseguem olhar, refletir e perceber detalhes, que para olhares desatentos, não são vistos. Ver é muito mais um estado de espírito, é uma capacidade de perceber e interpretar as coisas.

Conheci Tom Houston por ter há algum tempo atrás, trabalhado na editora que publica seus livros no Brasil. Na época, não dei muito valor, mas por curiosidade, e acredite em mim, sou bem curioso, resolvi ler suas obras.

Gosto de sair da mesmice, procurar outros autores e descobrir novos conteúdos, desafios são sempre ótimos, sair do comum faz com que ampliemos nossa forma de pensar, e foi o que eu fiz, mergulhei no livro “Personagens ao redor da cruz” e não me arrependi por isso.

A obra gira em torno da crucificação de Cristo, até aí, nada de novo. A parte interessante do livro é que o autor propõe fazer vir à tona a história de todos os personagens deste grande momento na história cristã, que é a crucificação de Jesus.

Tom Houston comenta sobre todos os envolvidos, desde os apóstolos, os sacerdotes, Pilatos e todos os personagens, com um olhar tão clínico, que nenhum detalhe parece escapar de suas vistas.

A leitura deste livro me fez enxergar com mais cuidado o texto bíblico, e despertou em mim a missão de aprender a olhar, a descobrir como cada detalhe é importante e guarda consigo muitas lições.

No Brasil a editora lançou 3 obras com este mesmo propósito, mostrando a importância de lermos, e meditarmos na palavra. Por conta da pressa, ou dos nossos compromissos, podemos deixar de perceber lições importantes que o texto quer passar.

Eu sempre digo, e continuarei a repetir até o fim dos meus dias, mais importante que ler a Bíblia em 1 ano, como muitos pastores propõem, é ler e entender o texto bíblico, nem que para isso, você precise ficar mais de um dia meditando e estudando um capítulo, com os livros não é diferente. Vale muito mais a pena ler e aprender, do que apenas ler, só para poder espalhar aos quatro ventos, como você lê bastante.

Perceber os detalhes faz toda a diferença em nossa vida, muitas vezes são eles que vão mudar por completo algumas importantes questões do nosso viver. Costumamos olhar para o macro, contudo, normalmente são nos detalhes que estão as verdadeiras lições.

BIBLIOGRAFIA

HOUSTON, Tom, Personagens ao redor da cruz, Editora Esperança, Curitiba, 2018.

11 visualizações

JORNADA CRISTÃ 10: QUESTÕES SOBRE O SOFRIMENTO

O sofrimento faz um baita barulho em nossa vida, ele não só tira a nossa paz, mas também nos traz questionamentos, dúvidas e angústias. Nem sempre é fácil enfrentar o sofrimento, embora seja muito importante ter ferramentas e formas de transitar por este caminho tão complicado.

Conheci Philip Yancey em dias bem nublados, onde eu desesperadamente buscava respostas para enfrentar situações difíceis. Empreendi uma verdadeira jornada em busca de respostas, sendo que entre todos os autores, foi justamente em Philip Yancey e a sua profunda destreza em lidar com a dor e o sofrimento, que encontrei um certo tipo de alento.

O escritor é autor de uma grande variedades de livros, ele fala desde graça, como em seu livro “Maravilhosa graça”, sobre a fé em “Rumores de outro mundo” ou sobre Jesus como em “”O Jesus que eu nunca conheci”, entre tantos títulos, mas foi o assunto sofrimento que me motivou a ir em busca dos seus livros.

O primeiro livro que eu li do autor foi “A pergunta que não quer calar”, um livro não tão grande, embora seja por demais profundo. Sendo que a obra já se inicia perguntando onde está Deus? Onde o autor conta como perdeu o seu pai e acabou crescendo órfão. Depois deste livro, conheci muitos outros que abordavam assuntos variados, como mencionei no começo do texto, até conhecer o que considero a sua obra prima, “Decepcionado com Deus”, um livro tão profundo, quando centrado e coerente.

No livro Philip trabalha de forma bíblica o sofrimento, narra fatos reais, decepções que realmente aconteceram, respaldando sempre o assunto com a palavra, deixando a Bíblia como centro de tudo, mostrando que as vezes as nossas suplicas no sofrimento, são tentativas de encaixar Deus em nossa limitada visão. Gosto de uma passagem, quase no final do livro, que fala justamente desta nossa estreita visão:

“A dor estreita a visão. Sendo a mais pessoal das sensações, ela nos força a pensar quase que exclusivamente em nós mesmos” (YANCEY, 2004, p. 252).

Não é fácil passar por um período de sofrimento e de maneira alguma eu quero simplificar os muitos momentos difíceis que muita gente enfrenta, mas uma coisa é verdade, as vezes o sofrimento faz com que vejamos só a nós, nossa situação e nossos questionamento. Esquecemos de confiar em meio a dor, de crer em Deus, apesar dos problemas.

É até contraditório seguirmos a Deus só porque temos uma vida boa, atribuindo tudo a Ele. E deixarmos de segui-lo, por crermos que Ele não agiu da forma com que nós achávamos que Ele deveria agir. Ou aprendemos a confiar nele, ou seguimos a mercê de nossas próprias vontades.

Com este livro eu não obtive só algumas respostas, mas também aprendi como devemos passar pelo sofrimento. Eu entendi que apensar da dor, ela não pode nos separar de Deus, e sim, ela deve nos jogar em sua direção, fazendo com que possamos confiar e crer em sua santa vontade ainda mais.

BIBLIOGRAFIA

YANCEY, Philip, Decepcionado com Deus: três perguntas que ninguém ousa fazer, Editora Mundo Cristão, São Paulo, 2004.

7 visualizações